Golpe militar

Artigo: "A UnB e a defesa inabalável da democracia"

Estudantes, técnicos administrativos e professores se organizaram em movimentos de resistência, promovendo debates clandestinos, produzindo conhecimento crítico e mantendo viva a chama da liberdade e da democracia

Universidade de Brasília (UnB), campus Darcy Ribeiro -  (crédito: Beto Monteiro/Secom UnB)
Universidade de Brasília (UnB), campus Darcy Ribeiro - (crédito: Beto Monteiro/Secom UnB)
postado em 02/04/2024 06:00

Por Fátima Sousa — Professora-associada do Departamento de Saúde Coletiva e ex-diretora da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Brasília

Precisamos recordar aos nossos jovens o significado do golpe militar para o Brasil, que viveu 21 anos sob uma ditadura marcada pela tortura e morte de opositores políticos, censura à imprensa e aos artistas contestadores, além de restrições aos direitos políticos. Muitas mulheres, artistas, intelectuais, políticos e educadores foram obrigados a deixar o país e se exilar para fugir da repressão. O golpe de Estado no Brasil, em 1964, marcou um período sombrio de nossa história com a deposição do então presidente João Goulart, encerrando a Quarta República (1946-1964) e dando início à ditadura militar brasileira (1964-1985).

Esse período representou uma interrupção na democracia brasileira, que havia adotado o presidencialismo desde a Proclamação da República, em 1889. A ditadura impôs um modelo econômico que favorecia grandes interesses, resultando em violações generalizadas dos direitos humanos e marginalização de grupos vulneráveis. Suas consequências também afetaram a Universidade de Brasília (UnB), que, ao dar seus primeiros passos de criação, foi atacada violentamente pelo golpe de 64, sofrendo uma intervenção militar com a demissão de diversos professores e a perseguição ideológica a estudantes e funcionários.

É importante lembrar e refletir sobre esse período da história brasileira para que possamos valorizar a democracia e lutar por um país mais justo e livre de violações aos direitos humanos, como nos recorda a obra do professor Roberto A. Salmeron A universidade interrompida: Brasília 1964-1965, leitura obrigatória aos nossos tempos. Ele nos conta que, logo após o golpe, diversos professores foram demitidos e afastados por motivos políticos. Muitos deles eram considerados subversivos ou simpatizantes do governo deposto. Essa perseguição ideológica afetou não apenas a qualidade do corpo docente, mas também a liberdade de pensamento e o pluralismo acadêmico da UnB.

Além disso, estudantes e funcionários enfrentaram uma intensa repressão por parte do regime militar. Muitos foram presos, torturados e até mesmo mortos por expressarem suas opiniões políticas ou participarem de movimentos de resistência, fatos que não nos deixam esquecer Honestino Guimarães. A liberdade de expressão dentro do campus foi severamente cerceada, e um clima de medo e vigilância permeou a vida universitária durante todo o período da ditadura.

A intervenção militar também teve impactos nas estruturas administrativas e acadêmicas. O regime impôs uma série de restrições e controle sobre as atividades da universidade, interferindo em decisões e impondo diretrizes ideológicas. Disciplinas consideradas subversivas foram excluídas dos currículos, e a autonomia universitária foi fortemente limitada. Comprometeu, ainda, a continuidade de projetos acadêmicos e a formação de novos pesquisadores.

Mas apesar de todas essas adversidades, a comunidade acadêmica da UnB resistiu bravamente ao regime militar. Estudantes, técnicos administrativos e professores se organizaram em movimentos de resistência, promovendo debates clandestinos, produzindo conhecimento crítico e mantendo viva a chama da liberdade e da democracia dentro dos muros da universidade.

A UnB é uma instituição que manteve seu farol aceso, iluminando a defesa da democracia, promovendo a liberdade de pensamento, expressão e pluralidade de ideias. Sua atuação é um exemplo inspirador para outras instituições de ensino e para a sociedade brasileira. Sua comunidade que viveu, resistiu e nos conta hoje sobre os tempos de obscurantismo, nos instiga a manter ardente a chama da esperança de que os tempos passados não mais encontrarão esteio no presente, tão pouco no futuro. Ditadura, nunca mais! Democracia, sempre!

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação