Visão do Correio

Motoristas, pedestres têm sempre preferência

O DF foi o primeiro no país a criar faixas exclusivas para pedestres atravessarem as ruas. Nesta segunda-feira, quando a norma completou 27 anos, os órgãos de trânsito do DF festejaram a redução de 66% no número de óbitos na faixa entre 2022 (seis mortes) e 2023 (duas vítimas)

Em todo o DF, são mais de 4 mil faixas nas vias -  (crédito:  Kayo Magalhães/CB/D.A Press)
Em todo o DF, são mais de 4 mil faixas nas vias - (crédito: Kayo Magalhães/CB/D.A Press)
postado em 02/04/2024 06:00

O Distrito Federal foi a primeira unidade da Federação a cumprir o artigo 70 do Código de Trânsito Brasileiro (Lei nº 9.503/1997), sobre a obrigatoriedade de os veículos darem preferência aos cidadãos nas faixas de pedestres. Ao ver uma pessoa estender a mão na faixa, o condutor é obrigado a parar para que o transeunte atravesse a via em segurança. Um comportamento abraçado pelo Correio, que deu início à campanha Paz no trânsito, em 1996, e ajudou a transformá-lo em exemplo nacional. Nesta segunda-feira, quando a norma completou 27 anos, os órgãos de trânsito do DF festejaram a redução de 66% no número de óbitos na faixa entre 2022 (seis mortes) e 2023 (duas vítimas). Neste ano, nenhuma morte foi registrada. Uma realidade que não se repete pelo resto do país.

Em todo o DF, são mais de 4 mil faixas nas vias. Elas começaram a ser reavivadas pelas equipes de trânsito, o que atende à recorrente cobrança da população. Há 2 milhões de veículos em circulação — quase um carro por pessoa para uma população de 2,8 milhões, segundo o Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Minas Gerais, com uma população de 21,1 milhões de cidadãos e uma frota de 12,4 milhões de veículos, ocupa a terceira posição do ranking nacional de acidentes de trânsito envolvendo pedestres, atrás de São Paulo e Goiás, segundo dados do Ministério de Saúde e do Sistema Único de Saúde (SUS), coletados pela Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet), divulgados no ano passado. No primeiro semestre de 2023, ocorreram 2.452 internações de pedestres vítimas de acidentes de trânsito em Minas Gerais. Em Goiás, foram 6.402 internações por atropelamento, e São Paulo, com 19 milhões de veículos, registrou 3.072 vítimas, em igual período.

Mesmo com trânsito menos violento, a capital da República ressente-se de um transporte público de qualidade, uma vez que os congestionamentos no trânsito são estressantes. A dificuldade do Distrito Federal é a mesma das demais unidades da Federação, o que leva os brasileiros a fazer esforço para ter um veículo, evitando o desconforto do transporte público. Se, por uma lado, essa opção aquece a indústria automobilística; por outro, faz com que a maioria das grandes cidades pouco ou nada contribuam para a redução da emissão de gases de efeito estufa, que comprometem todos os esforços para conter o aquecimento global.

Mas não só isso. Há necessidade, em todo país, de uma fiscalização mais rigorosa para conter os infratores, manter o respeito à velocidade máxima das vias e, sobretudo, educar os condutores, lembrando-os da importância de respeitar os pedestres. Agir de acordo com a legislação só quando há blitzes ou agentes de segurança nas rodovias e vias urbanas não vale. As normas têm de ser respeitadas em quaisquer circunstâncias, pois ignorar a sinalização de trânsito, nas rodovias interestaduais e nas vias urbanas, significa risco de morte para os que caminham pelas cidades. Os veículos são meios de transporte, e não devem ser transformados em armas.

 

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação