Meio Ambiente

"O Brasil está de parabéns na preservação ambiental", diz Bolsonaro

Segundo o chefe do Executivo, o país é a nação que mais sofre ataques internacionais

Ingrid Soares
postado em 17/09/2020 13:38 / atualizado em 17/09/2020 14:33
 (crédito: Marcello Casal JrAgência Brasil)
(crédito: Marcello Casal JrAgência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na tarde desta quinta-feira (17/9) que o país está de “parabéns” quando o assunto é preservação ambiental. A declaração ocorreu durante a inauguração da usina Fotovoltaica Coremas III, em Coremas na Paraíba.

Bolsonaro discursou sobre as energias renováveis do país. "Nós sabemos também que um país para se movimentar ele precisa de energia e o Brasil é um país que tem a quase totalidade, grande parte da sua matriz energéticas a de fontes renováveis. Nós temos aqui usinas hidrelétricas, energia eólica, energia solar, biomassa, entre tantas outras. O Brasil é o país que mais preserva o meio ambiente e alguns, não entendo como, é o país que mais sofre ataques vindo de fora no tocante ao seu meio ambiente. O Brasil está de parabéns na maneira como preservar esse seu meio ambiente", declarou.

 

 

Nessa quarta-feira, o chefe do Executivo defendeu que a “Amazônia e o Pantanal têm sofrido críticas desproporcionais”. O mandatário ainda comparou as queimadas no Brasil às ocorridas nos Estados Unidos e na África.

"Tem críticas desproporcionais à Amazonia e ao Pantanal, né. Califórnia está ardendo em fogo. A África tem mais foco que no Brasil. Nós tentamos com a regularização fundiária resolver essa questão. Tem muita terra que a ONG botou laranja aqui, então, o lobby é enorme para você não fazer a regularização também”.

Culpa

Bolsonaro disse também que povos indígenas e moradores rurais são responsáveis por parte dos focos de incêndio. “Agora, pega fogo. O índio toca fogo, o caboclo. Tem a geração espontânea. No Pantanal, 43 graus é a temperatura média. No ano passado, quase não pegou fogo. Sobrou uma massa enorme de vegetais mortos para isso que está acontecendo agora", justificou o chefe do Executivo.

Destruição

Os incêndios florestais no Brasil cresceram de forma vertiginosa ao longo de 2020 em quase todos os biomas, de acordo com informações registradas pelo Programa Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Especiais (Inpe). De 1º de janeiro a 12 de setembro, o órgão contabilizou 125.031 queimadas no país, o maior registro para o período desde 2010, quando 182.170 focos de calor foram mapeados no mesmo intervalo.

O crescimento mais alarmante é no Pantanal. Em relação ao intervalo entre 1º de janeiro e 12 de setembro de 2019, o número de queimadas no bioma deu um salto de 210% neste ano — passou de 4.660 para 14.489.

Taxação do sol

No evento na Paraíba, Bolsonaro prometeu que até o final de seu mandato não haverá taxação do sol. "Há poucos meses apareceu um fantasma em nosso meio. O pessoal queria taxar o sol. Obviamente, nós sabemos que as agências são independentes e têm um valor muito importante para nós no Brasil. Logicamente, conversando com o ministro Bento, conversando com o presidente da Aneel, chegou-se à conclusão que essa proposta, até 2022 que nós vamos estar no governo, não será posta em prática. não haverá taxação do sol", garantiu. O presidente também falou sobre o empreendedorismo no país e relatou que a bateria de nióbio esta na "eminência de sair da prancheta e se tornar a realidade". 

Sem máscara

Bolsonaro desembarcou no aeroporto de Juazeiro do Norte, no Ceará nesta quinta-feira (17/9). Sem máscara, e em meio a aglomeração, cumprimentou apoiadores com apertos de mãos e tirou fotos com um bebê no colo. Em seguida, pegou um helicóptero para Coremas, onde também participou  sem máscara, assim como demais convidados.

  • Esta foto aérea de arquivo tirada em 24 de agosto de 2019 mostra áreas queimadas na floresta amazônica, perto de Porto Velho, estado de Rondônia, Brasil. Uma coalizão inusitada de 230 organizações ambientais e empresas brasileiras do agronegócio enviou ao presidente Jair Bolsonaro, em 15 de setembro de 2020, uma carta propondo deter o desmatamento
    Esta foto aérea de arquivo tirada em 24 de agosto de 2019 mostra áreas queimadas na floresta amazônica, perto de Porto Velho, estado de Rondônia, Brasil. Uma coalizão inusitada de 230 organizações ambientais e empresas brasileiras do agronegócio enviou ao presidente Jair Bolsonaro, em 15 de setembro de 2020, uma carta propondo deter o desmatamento "de forma rápida e permanente, especialmente na região amazônica. Foto: CARLOS FABAL / AFP
  • Presidente Jair Bolsonaro
    Presidente Jair Bolsonaro Foto: Ed Alves/CB/D.A Press
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação