mudanças

Secretário Especial de Fazenda evita detalhar como será a renda mínima

Waldery adiantou que a equipe econômica revisou projeções e espera um rombo ainda maior nas contas públicas em 2020

Vera Batista
postado em 29/09/2020 06:00
 (crédito: Roque de Sa/Agencia Senado)
(crédito: Roque de Sa/Agencia Senado)

Em audiência ontem na Comissão Mista do Congresso que acompanha as medidas para fazer frente à covid-19, o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, afirmou que o teto dos gastos continua sendo a prioridade do governo, mas que uma nova proposta para renda mínima está sendo discutida e será apresentada “no tempo devido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, com indicação das fontes de financiamento”. A lacônica resposta foi depois de alguns dias submerso por conta do “cartão vermelho” do presidente Jair Bolsonaro, por defender mudanças no reajuste de aposentadorias para financiar a criação de um programa de renda mínima.

Ele observou, também, que está em estudo a possibilidade de taxar grandes heranças, no âmbito da reforma tributária. “É um assunto que está sendo analisado. Os planos do governo para a saída da crise estão sendo detalhados”, reforçou. Waldery disse que Guedes está tratando de forma “serena e transparente” a questão da redução de despesas, que poderá ser feita para bancar um novo programa de renda mínima.

“O líder (do governo na Câmara) Ricardo Barros e o ministro Guedes comunicarão as soluções. E eles falaram de forma muito precisa que as discussões estão se dando de forma muito serena e direta para não haver divergências”, esquivou-se.

Waldery adiantou que a equipe econômica revisou projeções e espera um rombo ainda maior nas contas públicas em 2020. A estimativa para o deficit primário do setor público passou para R$ 895,8 bilhões (12,5% do PIB), ante previsão anterior de R$ 891,1 bilhões (12,4% do PIB), feita no início do mês. Para o governo central, o deficit estimado agora é de R$ 871 bilhões (12% do PIB), ante projeção anterior de R$ 866,4 bilhões (12,1%).

Também foram apresentadas novas estimativas para o endividamento público. A expectativa é de que a dívida bruta do governo geral fique em 93,9% no cenário base (PIB em -4,7%), chegando a 96,2% no pior cenário (PIB em -6,7%). Já a dívida líquida do setor público pode variar de 67,8% a 69,5% do PIB.

“O Brasil está zelando por cada R$ 1 gasto, porque significa endividamento. No enfrentamento à pandemia, estamos na frente tanto de países desenvolvidos quanto de emergentes”, destacou. Para Waldery, a maioria dos setores da economia brasileira apresentam uma “recuperação em V”, com exceção do setor de serviços, que tem recuperação mais lenta. Ele ressaltou que o aumento de investimentos deve vir pelo setor privado, já que há pouco espaço no Orçamento público para isso. “Não existe política de investimento sustentável sem fiscal robusto”, afirmou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação