corrupção na cueca

Chico Rodrigues: "Vou cuidar da minha defesa e provar minha inocência"

Segundo as apurações da PF, esquema desviou cerca de R$ 20 milhões em emendas parlamentares para Roraima. Parte do dinheiro foi encontrado entre as nádegas do parlamentar que até a manhã de hoje atuava como vice-líder do governo no Senado

Ingrid Soares
postado em 15/10/2020 15:40
 (crédito: Senado/ reprodução)
(crédito: Senado/ reprodução)

O senador Chico Rodrigues (DEM-RR) divulgou a nota encaminhada nesta quinta-feira (15/10) ao senador Fernando Bezerra, na qual comunicou a saída da vice-liderança do governo. No texto, ele afirmou que cuidará da defesa do caso e provará sua inocência.


“Vou cuidar da minha defesa, e provar minha inocência. Volto a dizer, ao longo dos meus 30 anos de vida pública, tenho dedicado minha vida ao povo de Roraima e do Brasil, e seguirei firme rumo ao desenvolvimento da minha nação”, escreveu.


Segundo Rodrigues, sua saída se faz necessária para “aclarar os fatos e trazer à tona a verdade”. Ele ainda fez afago ao presidente Jair Bolsonaro que o tirou do posto após mal-estar gerado no Planalto. O senador caracterizou o presidente como “grande líder”.


“Acredito nas diretrizes que o grande líder e Presidente do Brasil, Jair Messias Bolsonaro usa para gerir a nossa nação”, concluiu.


Chico Rodrigues foi um dos alvos da operação Desvid19, deflagrada ontem (14). A investigação apura um esquema de desvio de verbas públicas destinadas ao combate à pandemia da covid-19 em Roraima. Segundo as apurações da PF, foram desviados cerca de R$ 20 milhões em emendas parlamentares. Parte do dinheiro foi encontrado escondido em sua cueca e entre as nádegas.


A exoneração do parlamentar foi publicada na edição extra do Diário Oficial da União (DOU).
"Nos termos do art. 66-A do Regimento Interno dessa Casa do Congresso Nacional, em atenção ao pedido do Senhor Senador Francisco de Assis Rodrigues, solicito providências para a sua dispensa da função de Vice-Líder do Governo no Senado Federal", diz a mensagem do despacho.


Em nota, a Secretaria Especial de Comunicação Social também anunciou sua saída e apontou que "a ação da Polícia Federal e da CGU, respeitando os princípios constitucionais, é a comprovação da continuidade do Governo no combate à corrupção em todos os setores da sociedade brasileira, sem distinção ou privilégios".


Na tentativa de desvencilhar a imagem do governo da de Rodrigues, mais cedo, Bolsonaro comentou sobre a operação e declarou que o resultado da investigação é "fator de orgulho para o governo".

O presidente destacou que o governo dele é formado apenas por ministros, estatais e bancos oficiais, e não conta com a participação de parlamentares. O vice presidente Hamilton Mourão também repetiu a narrativa.

Segundo o general, o senador seria uma "linha auxiliar do governo" e não faz parte do quadro efetivo.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação