GUERRA DA VACINA

Maia garante debater vacina chinesa com Bolsonaro após aprovação pela Anvisa

Presidente da Câmara se reuniu com o governador de São Paulo, João Doria, após desmarcar encontro, alegando indisposição. O objetivo, segundo Maia, é reestabelecer o diálogo

Bruna Lima
postado em 23/10/2020 15:15 / atualizado em 23/10/2020 15:15
 (crédito: Câmara/Divulgação)
(crédito: Câmara/Divulgação)

Após desmarcar compromisso com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), alegando indisposição, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ), embarcou para capital paulista, nesta sexta-feira (23/10), e participou da tradicional coletiva de atualização das ações do estado de combate à covid-19.

O parlamentar negou que o motivo do cancelamento da reunião tenha sido uma sinalização de não apoio à vacina chinesa Coronavac e declarou que, se for devidamente aprovada, irá articular a inclusão da candidata ao Programa Nacional de Imunização (PNI).

"Espero que a gente consiga construir, através do diálogo, a solução não apenas para São Paulo, mas para todos os brasileiros que precisam dessa e das outras vacinas para gente garantir proteção, principalmente, ao grupo de risco", ressaltou Maia, frisando a necessidade de que, antes, as candidatas sejam aprovadas e autorizadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Já infectado pelo novo coronavírus, Maia relembrou os dias em que sofreu com os efeitos da doença para destacar a necessidade das vacinas. "Quem tem sintoma como eu tive, com o pulmão comprometido, risco de trombose, muito medicamento, sabe. Perder 10 quilos em sete dias não me parece um vírus tranquilo. Tenho certeza que a vacina é fundamental".

Por isso, o presidente da Câmara admitiu a necessidade de "organizar aquilo que está desorganizado, infelizmente", se referindo ao embate politizado em torno da vacina chinesa. "Tenho certeza que o presidente da República vai ouvir nossos apelos e que não vamos precisar de outro caminho a não ser um bom diálogo, que o presidente tem tido com o Parlamento a longo desses últimos meses", declarou.

Especulação

A fala afasta a especulação de que o Congresso seguiria a linha do presidente Jair bolsonaro, em rejeitar a inclusão da CoronaVac no rol de imunizantes disponíveis pelo PNI. Segundo Maia, o cancelamento não se deu para "atender a alguma sinalização" e que o real motivo seria, de fato, mais uma doença. "Estou pegando uma virose a cada duas semanas", comentou.

Mesmo assim, nos bastidores, o adiamento da reunião foi encarado como estratégia para construir um posicionamento e evitar mensagens truncadas, uma vez que ela ocorreria horas depois da afirmação de Bolsonaro de que não compraria as doses do que apelidou como "a vacina chinesa de Doria".

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação