G20

Bolsonaro: Brasil tem a matriz energética mais limpa entre países do G20

Segundo o presidente, a produção agrícola no Brasil é realizada "utilizando apenas 8% das terras" e com menos de 3% de emissão de carbono. "Mais de 60% do território ainda se encontra preservado com vegetação nativa", completou

Ingrid Soares
postado em 22/11/2020 13:58
 (crédito: Alan Santos/PR)
(crédito: Alan Santos/PR)

Na tentativa de rebater críticas que vem recebendo de outros países em meio a política ambiental, o presidente Jair Bolsonaro garantiu, na manhã deste domingo (22/11), que o Brasil possui a matriz energética mais limpa entre os países do G20. A declaração ocorreu no segundo dia de encontro do grupo, por meio de vídeos gravados.

Na reunião presidida este ano pela Arábia Saudita, Bolsonaro destacou ações do governo e afirmou que tem promovido a abertura da economia, com vistas a uma maior integração do Brasil aos fluxos de comércio e investimento mundiais.

"Estamos construindo um país aberto para o mundo, disposto, não apenas a buscar novos acordos comerciais, mas também a assumir novos e maiores compromissos nas áreas do desenvolvimento e da sustentabilidade", apontou.

O presidente se disse ciente de que os acordos comerciais sofrem cada vez mais influência da agenda ambiental. Ele ressaltou que o Brasil passou da condição de importador de alimentos para o patamar de um dos maiores exportadores agrícolas do mundo.

"Nosso País exporta volume imenso de produtos agrícolas e pecuários sustentáveis e de qualidade. Alimentamos quase um bilhão e meio de pessoas e garantimos a segurança alimentar de diversos países”.
Segundo Bolsonaro, a produção agrícola no Brasil é realizada “utilizando apenas 8% das terras” e com menos de 3% de emissão de carbono. “Mais de 60% do território ainda se encontra preservado com vegetação nativa”, completou.

Em única menção à covid-19, o mandatário alegou que em meio a pandemia, a agropecuária se manteve ativa e crescentemente produtiva.

Bolsonaro também atacou países que têm criticado seu governo por conta das queimadas na Amazônia, caracterizando-as como “nações menos competitivas e menos sustentáveis”.

“Tenho orgulho de apresentar esses números e reafirmar que trabalharemos sempre para manter esse elevado nível de preservação, bem como para repelir ataques injustificados proferidos por nações menos competitivas e menos sustentáveis”, alfinetou.

Em seguida, o presidente declarou que as ações para preservação da Amazônia, Pantanal e demais biomas são "fatos". "O que apresento aqui são fatos, e não narrativas. São dados concretos e não frases demagógicas que rebaixam o debate público e, no limite, ferem a própria causa que fingem apoiar", concluiu.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE