CRITICOU

"Coisa de retardado", diz nora de Bolsonaro sobre movimento antivacina

Apesar da posição de Heloísa Bolsonaro, Eduardo e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendem que a vacina contra a covid-19 não seja obrigatória

Ana Mendonça*/Estado de Minas
postado em 25/11/2020 08:43 / atualizado em 25/11/2020 08:43
 (crédito: Redes Sociais/Reprodução)
(crédito: Redes Sociais/Reprodução)

A mulher do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL) criticou o movimento antivacina nessa terça-feira (24/10). Segundo Heloísa Bolsonaro, que é influenciadora no Instagram, o movimento é “coisa de retardado”. A resposta foi dada para uma seguidora através da ferramenta “perguntas” do storys da rede social.

Heloisa deixou a caixa de perguntas para falar sobre maternidade. Ela e Eduardo acabaram de ter uma filha, chamada Geórgia. Questionada por uma seguidora se a menina toma/tomou vacinas, a mulher do deputado federal respondeu que sim.

“Geórgia toma e tomará todas as vacinas para cada fase. Não sabia que existia um movimento antivacina, mas, agora sabendo, só pode ser coisa de retardado. Depois, quando o filho tiver uma doença, quero ver ele agradecer aos pais por terem poupado ele da dor do ‘pic’. Pqp, né? Por essas e outras a gente vê a volta de doenças antes erradicadas”, respondeu.

Apesar da resposta de Heloísa, Eduardo Bolsonaro e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendem que a vacina contra o novo coronavírus não deve ser obrigatória. Jair Bolsonaro, inclusive, chegou a participar de várias discussões sobre o assunto. A que mais repercutiu foi contra o governador de São Paulo João Doria. Na época, Bolsonaro chegou a ironizar dizendo que “tinha governador que se achava médico do Brasil”.


*Estagiária sob supervisão da editora Liliane Corrêa, do Estado de Minas

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE