"Quebradeira"

Após 'Brasil quebrado', Bolsonaro ironiza: "Brasil está uma maravilha"

Fala do presidente repercutiu mal. Reunião ministerial foi convocada por ele de última hora nesta quarta-feira (6/1), com a presença de Paulo Guedes, que interrompeu suas férias para o encontro

Sarah Teófilo
Ingrid Soares
postado em 06/01/2021 10:57 / atualizado em 06/01/2021 10:58
 (crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
(crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Após dizer que "o Brasil está quebrado", gerando alvoroço e uma repercussão ruim, o presidente Jair Bolsonaro ironizou a fala nesta quarta-feira (6/1). "Confusão ontem, viu? Porque eu falei que o Brasil estava quebrado. Não, o Brasil está bem, está uma maravilha", disse a apoiadores no Palácio da Alvorada.

O presidente ainda remeteu à imprensa a culpa por sua fala. "A imprensa sem vergonha, essa imprensa sem vergonha faz uma onda terrível aí. Para a imprensa bom tava Lula, Dilma gastando R$ 3 bilhões por ano para eles", afirmou.

Na terça-feira (5), também a apoiadores, Bolsonaro ressaltou: "Chefe, o Brasil tá quebrado, chefe. Eu não consigo fazer nada. Eu queria mexer na tabela o Imposto de Renda. Teve esse vírus, potencializado pela mídia que nós temos aí, essa mídia sem caráter".

Após a fala, o ministro da Economia, Paulo Guedes, interrompeu as férias para ir a uma reunião ministerial convocada de última hora pelo presidente, nesta quarta-feira. O período de férias de Guedes vai até o próximo dia 8, sexta-feira.

Culpa da imprensa

Ainda na terça-feira, Bolsonaro teve outra fala que repercutiu mal. Ele disse que a maior parte dos brasileiros não está preparada para fazer quase nada, ao falar sobre os índices de desemprego. "(O Brasil) é um país difícil de trabalhar. Quando fala em desemprego, né, (são) vários motivos. Um é a formação do brasileiro. Uma parte considerável não está preparada para fazer quase nada. Nós importamos muito serviço", afirmou.

Agora, ele culpou, mais uma vez, a imprensa pela fala. "Ontem, eu disse que parte dos brasileiros não está preparada para o mercado de trabalho. Pronto, a imprensa fala que eu ofendi todos os empregados do Brasil. Agora, nós importamos serviços, porque não tem gente habilitada aqui dentro, porque há 30 anos (estão) destruindo a educação do Brasil", ressaltou.

Aos apoiadores, o chefe do Executivo criticou a imprensa por diversas vezes nesta quarta-feira. "O maior problema do Brasil não é com alguns órgãos, é com a imprensa", afirmou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE