APÓS DEMISSÃO NA PETROBRAS

Bolsonaro critica Castello Branco por trabalho remoto: "11 meses sem trabalhar"

Falas ocorrem após presidente indicar o general da reserva Joaquim Silva e Luna para a presidência da estatal, o que gerou uma reação negativa por parte do mercado

Sarah Teófilo
postado em 22/02/2021 13:25 / atualizado em 22/02/2021 13:26
 (crédito: Evaristo/Sá/AFP)
(crédito: Evaristo/Sá/AFP)

O presidente Jair Bolsonaro criticou na manhã desta segunda-feira (22/2) o fato de o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, estar trabalhando remotamente durante a pandemia do novo coronavírus. "O atual presidente da Petrobras está há 11 meses em casa. Sem trabalhar, né? Trabalha de forma remota. Agora, o chefe tem que estar na frente, bem como seus diretores", disse em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada.

As falas se dão após o presidente indicar o general da reserva Joaquim Silva e Luna para a presidência da estatal, o que gerou uma reação negativa por parte do mercado financeiro. Tal reação é alvo também de críticas de Bolsonaro. Nesta segunda, ele afirmou que a política adotada na Petrobras atende "aos interesses próprios de alguns grupos. "Alguns do mercado financeiro estão muito felizes com a política que só tem um viés da Petrobras: atender os interesses de alguns grupos".

Ainda sobre o atual presidente da estatal, Bolsonaro afirmou que o fato de ele trabalhar remotamente é "inadmissível". "Descobri isso há poucas semanas. Imagine eu, presidente, em casa e com medo de covid, ficando o tempo todo aqui no Alvorada? Não justifica isso daí. Inclusive, o ritmo de trabalho de muitos servidores lá está muito diferenciado. Ninguém quer perseguir servidor, muito pelo contrário, temos que valorizar os servidores. Agora, o petróleo é nosso ou é de um pequeno grupo no Brasil?", questionou.

Sem interferência

O presidente voltou a negar interferência na estatal, frisando que ninguém irá interferir na política de preço. Mas criticou o aumento do diesel. "Não consigo entender no prazo de duas semanas ter um reajuste do diesel de 15%. Não foi essa avaliação do dólar lá fora, do dólar aqui dentro, nem do preço do barril lá fora. Então, tem coisa aí que tem que ser explicada", afirmou.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE