GOVERNO

Bolsonaro diz que fará pronunciamento sobre covid-19 e vacinação

Declaração nacional poderá ser veiculada ainda nesta semana. Presidente também reforçou que uma equipe do governo viajará para Israel a fim de finalizar um acordo sobre a aquisição de um spray que ele diz ajudar no combate a covid-19; medicação, contudo, não possui comprovação de eficácia

Ingrid Soares
postado em 03/03/2021 13:10
 (crédito: AFP / EVARISTO SA)
(crédito: AFP / EVARISTO SA)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (3/3) que prepara um pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV a ser veiculado ainda esta semana, no qual tratará da pandemia e da vacinação contra a covid-19.

"O assunto, quando tiver [pronunciamento], vai ser pandemia, vacinas. O Brasil é um país que, em valores absolutos, mais está vacinando. Temos 22 milhões de vacinas para este mês. Mês que vem deve ser mais 40 milhões. O país está mais avançado nisso. Assinei no ano passado MP destinando mais de R$ 20 bilhões para comprar vacina. Estamos fazendo o dever de casa", apontou.

Na terça-feira (2), pouco tempo após as emissoras de televisão serem avisadas, o presidente suspendeu um pronunciamento que havia sido anunciado para as 20h30 do mesmo dia. Na data, ele se reuniu com a equipe do governo para confeccionar o texto. A assessoria do Planalto não soube informar o motivo do cancelamento.

Segundo fontes do governo, o chefe do Executivo, em meio à pressão de caminhoneiros e parte da população, ressaltaria o decreto que zera os impostos federais do diesel por dois meses e do gás de cozinha (GLP) de forma permanente e também comentaria sobre a política de lockdown.

Spray israelense

Bolsonaro voltou a comentar sobre a possível aquisição do spray israelense, EXO-CD24. Uma comitiva do governo com 10 pessoas, chefiada pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, viajará no sábado (6) para finalizar o acordo. Medicação, contudo, não possui comprovação de eficácia e carece de estudos aprofundados. A intenção, segundo o chefe do Executivo é que a terceira fase da medicação seja testada no país. Ele defendeu que "dificilmente alguém irá se opor ao tratamento".

"Está quase tudo certo, uma nossa delegação nossa parte para Israel… as primeiras infos são as melhores possíveis. Talvez a gente consiga assinar um acordo e começar a aplicar na terceira fase no Brasil e é para quem está em estado grave. Então, dificilmente alguém vai, no meu entender, se opor a esse tratamento. Acho que com estado grave não...", opinou.

“Se eu falar contra, que não presta, o pessoal vai atrás. A imprensa vai atrás. Mas se você ler a imprensa, você não consegue viver. Então, faz o que eu faço: cancelei desde o ano passado todas as assinaturas de jornais e revistas. o ministro que quiser ler jornal e revista vai ter que comprar. Não leio mais, não vejo jornal nacional, não assisto, que é a maneira que você tem de realmente pensar em coisas sérias no país", completou.

Na terça, também, o mandatário afirmou que o spray deverá ser utilizado em pacientes hospitalizados ou em tratamento na UTI e  disse “achar que não há problema nenhum usar isso no nariz do cara”. Bolsonaro reconheceu ignorar a composição do produto e emendou que o mesmo foi utilizado em um universo de 30 pessoas. Ele comparou o EXO-CD24 a um “produto milagroso”.

Pânico

Bolsonaro repetiu críticas à imprensa e disse que a mídia levou pânico à população. "Criaram pânico, né? O problema está aí, lamentamos. mas você não pode entrar em pânico. que nem a política, de novo, fique em casa. O pessoal vai morrer de fome, de depressão?", questionou. Por fim, ele disparou que para a mídia, o vírus é ele próprio.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE