ROBÔS

Senador pede a MPF e TCU que investiguem se governo impulsionou publicações de robôs

Reportagem do Correio mostrou que as publicações feitas no Twitter por perfis inautênticos com hashtags de apoio a Bolsonaro cresceram 273% entre fevereiro e março

Augusto Fernandes
postado em 05/04/2021 16:39 / atualizado em 05/04/2021 22:51
 (crédito: Apu Gomes/AFP - 10/8/17

Bolsonaro disse, no Clube Hebraica, que %u201Co afrodescendente mais leve lá (no quilombo) pesava sete arrobas%u201D )
(crédito: Apu Gomes/AFP - 10/8/17 Bolsonaro disse, no Clube Hebraica, que %u201Co afrodescendente mais leve lá (no quilombo) pesava sete arrobas%u201D )

O senador Humberto Costa (PT-PE) solicitou ao Ministério Público Federal (MPF) e ao Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (MPTCU) a abertura de uma investigação para que seja apurado se o governo federal financiou as atividades de perfis inautênticos no Twitter ao longo de março. Os pedidos do parlamentar tiveram como base reportagem do Correio desta segunda-feira (5/4) que mostrou que, na comparação com fevereiro, a quantidade de publicações a favor do presidente Jair Bolsonaro feitas por robôs cresceu 273% no mês passado.

Os requerimentos do senador foram enviados ao procurador-chefe da Procuradoria da República no Distrito Federal, Claudio Drewes, e à procuradora-geral do MPTCU, Cristina Machado. “Se há atividades de postagens por artifícios de 'robôs', é evidente a existência de uma engrenagem maciça para impulsionar esses conteúdos, e essencialmente há aparatos financeiros nessa rede de sustentação”, pontuou Costa.

“É crucial que se debruce se há recursos do erário federal nessa rede, mormente a existência de parlamentares federais financiando tal sistema com recursos de cotas parlamentares; se há utilização de contratos e aportes financeiros de algum ministério ou estatais em tais atividades, e ainda e principalmente, se o Cartão Corporativo à disposição da Presidência da República ou de qualquer autoridade federal sustenta e paga por essas ações de robôs nas diversas redes sociais”, acrescentou o parlamentar.

Segundo Costa, “há evidente afronta aos princípios da moralidade, da legalidade e da publicidade” diante do crescimento expressivo de publicações feitas por bots a favor de Bolsonaro. De acordo com o senador, caso seja constatado o uso de recursos governamentais para o impulsionamento das postagens, isso caracterizaria crimes de peculato e práticas de improbidade.

49.302 publicações

O levantamento feito pelo Correio foi produzido com base em números da plataforma Bot Sentinel, que analisa publicações feitas no Twitter por robôs. Enquanto em fevereiro a quantidade de postos produzidos por bots bolsonaristas foi de pelo menos 13.206, em março foram contabilizados no mínimo 49.302.

Dentre as publicações feitas pelos robôs, se destacaram hashtags que enaltecem o trabalho desempenhado pelo mandatário. Há, por exemplo, pouco mais de 15,2 mil publicações com #opovoestacombolsonaro, #bolsonaroheroidobrasil, #contecomigobolsonaro, #bolsonarotemrazao e #vaipracimapresidente.

Além disso, foram bastante comuns posts pedindo que Bolsonaro seja reeleito no ano que vem. Tags como #bolsonaro2022, #bolsonaroate2026, #bolsonaropresidenteate2026 e outras variantes aparecem em aproximadamente 8,1 mil postagens.

Um indicativo que aponta para a possibilidade de a atividade no Twitter a favor de Bolsonaro ter sido conduzida por perfis inautênticos é o erro gramatical na escrita de algumas hashtags. Dentre as publicações que mais se destacaram, houveram ao menos 459 posts com #parabemsbolsonaro, mais do que as postagens com a escrita correta: apenas 144 estavam com a grafia #parabensbolsonaro. Ainda foram mapeados 153 tweets com #fechadocombolonaroate2026. Por outro lado, 675 foram publicados corretamente (#fechadocombolsonaroate2026).

*Errata: este texto foi atualizado às 22h51 de segunda-feira (5/4) para a correção de informações. Houve um equívoco sobre a quantidade de publicações feitas em fevereiro e a diferença percentual entre fevereiro e março.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE