CPI DA COVID

Elcio Franco diz que governo não comprou cloroquina para combater covid-19

Documentos enviados pelo Ministério da Defesa à CPI mostraram que o Exército produziu 12 vezes mais cloroquina em 2020 do que em 2017, que atendeu à demanda de 2018 e 2019

Sarah Teófilo
postado em 09/06/2021 16:27
 (crédito: Marcos Oliveira/Agência Senado)
(crédito: Marcos Oliveira/Agência Senado)

O ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde Elcio Franco disse em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da covid-19, no Senado, nesta quarta-feira (9/6) que durante a sua gestão na pasta da Saúde não houve, por solicitação do ex-ministro Eduardo Pazuello, “aquisição de cloroquina para o ano de 2020 para o combate à covid-19”. Franco é hoje assessor especial da Casa Civil.

Documentos enviados pelo Ministério da Defesa à CPI mostram que, no ano passado, o Exército produziu 12 vezes mais comprimidos de cloroquina 150 mg do que em 2017, quando foi produzido uma quantia para atender demanda de 2018 e 2019. Não houve produção neste ano, segundo ofício da pasta. As produções de 2020 ocorreram em março, abril e maio. No total, 91% foram distribuídos. Enquanto, em 2017, o custo foi de R$ 43,3 mil; em 2020, foi de R$ 1,1 milhão.

O coronel Franco afirmou também que defende o “atendimento precoce”, justificando que trata-se de um diagnóstico médico, com “orientações para que o paciente possa se afastar de demais e não contactar e transmitir a doença para outros e prescrever as medicações que ele julga mais adequadas”.

Franco foi questionado sobre o chamado “tratamento precoce”, que não existe no combate à covid-19, segundo especialistas. Franco ressaltou ser favorável a um 'atendimento precoce' e descreveu as ações de um tratamento inicial célere, defendido pela comunidade cientifica. Durante a pandemia, o presidente Jair Bolsonaro e pessoas do seu entorno defenderam algo que não é defendido pela comunidade científica, o “tratamento precoce” com uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra a doença.

Autonomia

Questionado sobre qual medicamento o coronel defende que haja no “tratamento precoce”, disse que com o que “o médico julgar oportuno, dentro da sua autonomia”. “E, se ele for usar algum medicamento off-label, como vários são utilizados na saúde, que ele faça o esclarecimento para o paciente, que só poderá ser medicado com aquele medicamento se aceitar”, disse.

Franco, que recentemente teve covid-19 e está se recuperando, contou à CPI que tomou hidroxicloroquina e teve entre 25% e 50% de comprometimento nos pulmões. Questionado pela senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) sobre por que, mesmo com o medicamento, teve comprometimento do pulmão, o coronel sinalizou que acredita que poderia ter ficado pior. “Meu quadro poderia ter sido mais acelerado e eu poderia estar pior (sem o medicamento)”, afirmou.

https://www.correiobraziliense.com.br/politica/2021/06/4930007-ao-vivo-elcio-franco-numero-2-da-saude-depoe-na-cpi-da-covid.html

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE