Pedido ao TCU

CPI da Covid mira em gastos com motociatas realizadas por Bolsonaro

Senadores aprovaram, em sessão desta quarta-feira (23/6), requerimento pedindo para que o TCU apure os valores com passagens aéreas, combustível, diárias e policiamento

Bruna Lima
postado em 23/06/2021 17:32
 (crédito: Alan Santos/PR)
(crédito: Alan Santos/PR)

Os gastos com as motociatas promovidas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) são alvo de interesse da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da covid-19. Na sessão desta quarta-feira (23/6), os senadores aprovaram requerimento pedindo auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) para saber quais valores públicos foram empenhados nos eventos que geram aglomeração em plena pandemia.

Somente no evento realizado em 12 de junho, na capital paulista e região de Jundiaí, a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo informou que foram gastos mais de R$ 1,2 milhão com o reforço no policiamento. Foram mais de 1,4 mil policiais escalonados só para a segurança da passeata, de um total de 6,3 mil agentes e militares que atuaram no dia. Foram dedicados ainda cinco aeronaves, 10 drones, 600 viaturas e bases móveis especiais para acompanhar os 129 km de trajeto.

Para além dos gastos locais, o requerente, o senador Humberto Costa (PT/PE), chamou atenção para a mobilização de todo o aparato presidencial. "O presidente da República mobilizou toda a estrutura da Presidência, assessores, segurança, pagamento de diárias", citou, completando que a justificativa dada por Bolsonaro foi a "entrega de uma boina a um aluno do Colégio Militar de São Paulo".

Humberto Costa citou, ainda, a promoção da aglomeração e a infringência de leis de trânsito, já que Bolsonaro não usava o equipamento exigido durante o passeio. "Resolvi solicitar ao TCU que faça uma auditoria porque entendo que diz respeito a um ato de conteúdo político eleitoral e não a uma atribuição específica do cargo de presidente da República", afirmou o senador petista.

Esta não foi a primeira motociata estimulada por Bolsonaro. Em maio, o mandatário percorreu cerca de 60 quilômetros, da Zona Oeste do Rio de Janeiro à Zona Sul. Sem usar máscaras ou cumprir distanciamento, ele cumprimentou apoiadores e causou aglomeração.

Agora, o presidente prevê mais dois passeios de moto: um neste domingo (26), em Chapecó (SC), e outro na capital, Florianópolis, em 14 de agosto.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE