CPI da Pandemia

Advogada à CPI: Prevent Senior fez pacto com o "gabinete paralelo"

Em depoimento, Bruna Morato, advogada dos ex-médicos da Prevent Senior, confirma relação da operadora com os especialistas que defendiam o uso dos medicamentos ineficazes para tratamento de covid

Tainá Andrade
postado em 28/09/2021 13:35 / atualizado em 28/09/2021 13:37
 (crédito: Edilson Rodrigues | Agência Senado )
(crédito: Edilson Rodrigues | Agência Senado )

A advogada Bruna Morato, que está representando os médicos denunciantes da Prevent Senior na CPI da Covid, esclareceu à comissão sobre a relação da Prevent Senior com o chamado "gabinete paralelo”.

Segundo ela, um diretor clínico explicou que Pedro Batista Júnior, diretor executivo da Prevent Senior, estava preocupado com as críticas que o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta fazia direcionadas à operadora de saúde. Por esse motivo, tentou se aproximar do Ministério da Saúde por meio de um parente da autoridade, mas sem sucesso. Ao tentar outra via de acesso, foi informado de que "havia um conjunto de médicos que estava assessorando diretamente o governo federal e que esse conjunto estava de acordo com os interesses do Ministério da Economia".

"O que me explicaram foi o seguinte: existe um interesse do Ministério da Economia para que o país não pare. Se nós entrarmos nesse sistema de lockdown, nós teremos um abalo econômico muito grande", disse a advogada.

Portanto, de acordo com ela, existia um plano para que os brasileiros pudessem sair às ruas sem medo. Por meio do toxicologista Antony Wong; da imunologista Nise Yamagushi; e do virologista Paulo Zanoto, o coronavírus seria tratado com menos contundência. A Prevent Senior seria usada para colaborar com as informações amplamente divulgadas por esses especialistas. A advogada informa que essa era uma estratégia de "alinhamento ideológico" e configura como uma "denúncia de pacto".

“Em nenhum momento ouvi falar da pessoa do ministro da Economia. O que eu ouvia falar era de um “alinhamento ideológico”. O que eles tinham que fazer era conceder esperança para que essas pessoas saíssem às ruas. A esperança era a hidroxicloroquina.

A colaboração da Prevent Senior com o governo era na produção de informações que convergissem com essa teoria. "Ou seja, que é possível você utilizar um determinado tratamento como proteção. A população, em geral, quando escuta a palavra 'prevenção' se encoraja a sair e fazendo isso se expõe ao vírus. Ainda que doentes, as pessoas teriam a esperança de que não iriam falecer daquilo”, conclui.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE