VACINAÇÃO

Aras anuncia ‘providências para proteger’ diretores da Anvisa ameaçados

Procurador-Geral da República enviou ofício ao presidente da Anvisa sobre quais medidas irá adotar para garantir a segurança dos servidores. Bolsonaro declarou que divulgaria nomes de técnicos que aprovaram vacinação infantil contra covid-19

Luana Patriolino
postado em 20/12/2021 14:00 / atualizado em 20/12/2021 20:09
 (crédito: Credito:Jefferson Rudy/CB/D.A Press)
(crédito: Credito:Jefferson Rudy/CB/D.A Press)

O procurador-geral da República, Augusto Aras, enviou um ofício ao presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, afirmando que determinou "adoção de providências" para "assegurar a proteção" dos servidores. Os técnicos passaram a receber intimidações pela internet, após anunciarem a aprovação da vacinação contra a covid-19 para crianças de 5 a 11 anos.

Até o momento, Aras ainda não detalhou quais as ‘providências’ foram adotadas para proteger os dirigentes da Anvisa. A escalada das ameaças a diretores da instituição foi relatada no último domingo (19/12), após o presidente Jair Bolsonaro afirmar que divulgaria os nomes dos responsáveis pela aprovação da vacinação infantil contra o novo coronavírus.

"Solicita-se de V. Sa. a adoção das medidas necessárias para apuração criminal dos referidos atos praticados e conhecidos ontem, sábado, dia 18/12/2021, contra os diretores e servidores da ANVISA e, além disso, reitera-se com urgência o pedido de proteção policial aos citados agentes públicos e suas famílias a fim de salvaguardar a sua integridade física e psicológica diante da gravidade da situação enfrentada", diz o ofício enviado a Aras.

O documento registra que comunicações anteriores que chegaram à PGR sobre fatos similares ‘foram diligentemente tratadas por membros do Ministério Público Federal no Distrito Federal e no Paraná, que contam, no tema, com o zeloso trabalho da Polícia Federal’, apontou o Ministério Público Federal por meio de nota.

Após a fala de Bolsonaro sobre a divulgação dos nomes, a Anvisa reagiu e disse “repudiar com veemência” ameaças feitas contra funcionários do corpo técnico do órgão. “Mesmo diante de eventual e futuro acolhimento dos pleitos, a agência manifesta grande preocupação em relação à segurança do seu corpo funcional, tendo em vista o grande número de servidores da Anvisa espalhados por todo o Brasil”, disse.

Queiroga alinhado com o presidente

Nesta segunda-feira (20), seguindo a linha do chefe do Executivo, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, concordou com as divulgações, durante conversa com jornalistas. “O serviço público é caracterizado pela publicidade dos seus atos. Então, todos os técnicos que se manifestem em processos administrativos tem que ser publicizados os atos, a não ser aqueles atos que são mais restritos. Mas não há problema em ter publicidade dos atos da administração. Acredito que seja até um requisito da Constituição”, disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE