Greve iminente

Após pressão, Campos Neto receberá servidores do BC para tratar reajuste

Funcionários do Banco Central intensificaram as pressões sobre o presidente do órgão na última segunda-feira (3/1). Principal demanda é o reajuste salarial

Israel Medeiros
postado em 06/01/2022 14:48
 (crédito: Foto: Raphael Ribeiro/BCB)
(crédito: Foto: Raphael Ribeiro/BCB)

Após ser pressionado por servidores do Banco Central que pedem reajuste salarial, o presidente do órgão, Roberto Campos Neto, concordou em se reunir com representantes dos funcionários para negociar. Segundo o sindicato que representa os trabalhadores, a adesão a listas de não assunção de comissões e de entrega de cargos nas comissões do órgão já se aproxima dos 50%.

A informação foi confirmada ao Correio pelo presidente do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal), Fábio Faiad. Ele adiantou que o objetivo da conversa é pedir a Campos Neto para que utilize "sua influência junto ao presidente Jair Bolsonaro" para avançar nas conversas pelo reajuste salarial.

A intenção do Sinal, agora, é conseguir cada vez mais apoio até o ato marcado para dia 18 de janeiro, quando servidores de várias carreiras, incluindo a elite do funcionalismo público e membros do chamado “carreirão” devem se encontrar na frente do Banco Central para protestar contra o congelamento de salários — que, em alguns casos, perdura desde 2017.

Este será o primeiro dia de paralisações marcadas para janeiro. Nos dias 25 e 26, servidores voltam a cruzar os braços. Caso as negociações com o governo não avancem, líderes sindicais indicam que uma greve geral poderá ocorrer em fevereiro. Até o momento, o governo não deu qualquer retorno aos pedidos de reunião.

O ato é liderado pelo Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate) e há conversas com o Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe) para unificar protestos e ter maior adesão. No mesmo dia, os funcionários públicos também planejam protestar em frente ao Ministério da Economia.

No caso dos funcionários do BC, a pressão se intensificou na última segunda-feira (3). O Sinal tem reuniões marcadas com vários setores da autarquia nos próximos dias para, segundo o sindicato, explicar o processo das listas e convencer o maior número possível de pessoas a aderir. O BC tem cerca de 500 comissões gerenciais.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE