Escândalo na Educação

Chefe do FNDE confirma agenda com 4 pastores no MEC, mas nega corrupção

Segundo Marcelo Lopes da Ponte, a função dos pastores nas reuniões das quais participou era fazer "alguma fala" ou "oração". Ele negou o envolvimento em corrupção na liberação de recursos

Maria Eduarda Cardim
postado em 07/04/2022 12:56 / atualizado em 07/04/2022 17:03
Presidente do FNDE, Marcelo Lopes da Ponte -  (crédito: Pedro França/Agência Senado)
Presidente do FNDE, Marcelo Lopes da Ponte - (crédito: Pedro França/Agência Senado)

O presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Marcelo Lopes da Ponte, confirmou nesta quinta-feira (7/4), durante audiência pública na Comissão de Educação do Senado, que participou de quatro agendas com pastores no Ministério da Educação (MEC). No entanto, o chefe do FNDE negou o envolvimento em corrupção na liberação de recursos para municípios.

“Eu os conheci numa agenda no Ministério da Educação, minha relação foi enquanto convidado para essas audiências", disse Marcelo, durante audiência de prestação de esclarecimentos sobre as denúncias de favorecimento indevido na destinação de verbas públicas do MEC.

Ainda segundo o chefe do FNDE, a função desses pastores nas reuniões das quais participou era fazer "alguma fala" ou "oração". "Às vezes fazia alguma fala, alguma oração. Foi o que eu percebi, que eu tive entendimento. Nada além disso que eu tenha percebido. Eram o que eles geralmente faziam”, assegurou.

Presidente do FNDE desde junho de 2020, Marcelo Lopes indicou que não encontrou com prefeitos a pedidos dos pastores e disse que os repasses do fundo aos municípios citados nas denúncias de corrupção foram suspendidos preventivamente. 

Marcelo ainda reforçou que acredita na conduta do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro. "O ministro Milton Ribeiro tem a minha mais elevada estima. Acredito na conduta dele. Acredito que terceiros usaram o nome dele, e o meu, eventualmente, para se gabaritar ou fazer lobby sem a nossa autorização", afirmou aos senadores. 

Apuração

A Comissão de Educação do Senado realiza audiências para apurar o beneficiamento indevido na destinação dos recursos da educação. A apuração ocorre após a imprensa ter divulgado áudios em que o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro afirma priorizar municípios administrados por prefeitos vinculados aos pastores na liberação de recursos do Fundo Nacional da Educação (FNDE). Na gravação, Ribeiro ainda cita que o favorecimento é um pedido expresso do presidente Jair Bolsonaro (PL). 

Na última terça (5), durante audiência pública, três prefeitos confirmaram à Comissão de Educação que receberam pedido de propina para destravar a liberação de recursos do FNDE.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE