Ex-ministro da Educação

Milton Ribeiro: disparo acidental com arma de fogo fere uma pessoa

Companhia aérea Gol emitiu nota informando que uma funcionária foi atingida por estilhaços do disparo, que havia sido socorrida e atendida por profissionais de saúde no Aeroporto e passa bem

Michelle Portela
postado em 25/04/2022 23:33 / atualizado em 25/04/2022 23:34
 (crédito:  ISAC NOBREGA)
(crédito: ISAC NOBREGA)

A companhia aérea Gol emitiu nota informando que uma funcionária foi atingida por estilhaços do disparo da arma de fogo do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, durante embarque no Aeroporto de Brasília, nesta segunda-feira (25/4). A vítima foi socorrida e atendida por profissionais de saúde no local e passa bem. O nome da vítima não foi divulgado.

Após o episódio, Ribeiro foi levado à Superintendência da Polícia Federal do Distrito Federal para prestar esclarecimentos e disse que houve um acidente ao se dirigir ao embarque.

No depoimento à PF, o ex-ministro da Educação envolvido em escândalos de corrupção disse que o disparo acidental ocorreu no momento em que foi separar a arma do carregador, dentro da pasta de documentos que ele carregava. De acordo com o ex-ministro, o episódio ocorreu por volta das 17h, e que ele embarcaria em um voo com partida às 19h50 para São Paulo.

Ribeiro afirmou que, “como já havia feito o ‘despacho de arma de fogo’ pela internet se dirigiu diretamente ao balcão da companhia aérea Latam; que ao abrir sua pasta de documentos pegou a sua arma para separá-la do carregador, dentro da própria pasta, momento em que ocorreu o disparo acidental”.

“Havia outros objetos dentro da pasta, o local ficou pequeno para manusear a arma”, diz o ministro no depoimento. “O declarante, com medo de expor sua arma de fogo publicamente no balcão, tentou desmuniciá-la dentro da pasta, ocasião em que ocorreu o disparo acidental”, continuou.

O ex-ministro também relatou à Polícia Federal que “a bala atravessou o coldre e sua pasta, se espalhando pelo chão”. Segundo Ribeiro, a única pessoa por perto no momento do incidente era a atendente da Latam e que, após o disparo acidental, ele “próprio indagou as pessoas que foram ao local do incidente se alguém havia sido atingido pelos estilhaços” e que “não apareceu qualquer vítima”.

Procurada pelo Correio, a Inframerica, responsável pela administração do Aeroporto de Brasília, informou que não comentaria o caso, e por se tratar de um disparo de arma de fogo o caso foi conduzido pela Polícia Federal. A assessoria de imprensa da PF não atendeu aos chamados da reportagem. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE