Corrupção

Após prisão de Ribeiro, ministro nega conhecer qualquer irregularidade no MEC

Victor Godoy, atual chefe da pasta, foi número dois no Ministério da Educação na gestão de Milton Ribeiro — preso nesta quarta-feira (22/6) pela Polícia Federal

Luana Patriolino
postado em 22/06/2022 12:46 / atualizado em 22/06/2022 12:47
 (crédito:  Ed Alves/CB)
(crédito: Ed Alves/CB)

O ministro da Educação, Victor Godoy, recebeu os agentes da Polícia Federal, na manhã desta quarta-feira (22/6), para a realização das buscas e apreensões que possam colaborar na operação que prendeu o ex-chefe da pasta Milton Ribeiro. Na saída, em conversa com os jornalistas, Godoy, que já foi braço direito do investigado, afirmou que não presenciou nenhuma irregularidade no MEC.

"Nunca tive conhecimento de qualquer tipo de postura do ex-ministro, na minha frente, que pudesse levar a desconfiança", afirmou. Segundo ele, "caso qualquer pessoa tenha praticado qualquer irregularidade e seja comprovada a sua culpa, isso tem que ser objeto de responsabilização".

Godoy ainda ressaltou a própria trajetória no serviço público e reforçou que não compactua com nenhum crime. Ele disse que irregularidades, como as que o ex-ministro é acusado de ter cometido, acontecem "de maneira velada" e afirmou ainda que o governo "não compactua com qualquer tipo de irregularidade ou desvio".

"Ainda mais recurso da Educação. Todos sabemos o momento que temos vivido na educação brasileira e mundial, com a pandemia [da covid-19]", destacou.

Malote pequeno

Compareceram hoje ao Ministério da Educação cinco agentes descaracterizados para buscar os materiais. Eles saíram do MEC apenas com um malote pequeno. Mais cedo, em nota, a pasta disse que está colaborando com a PF para os desdobramentos da apuração.

“O Ministério da Educação esclarece que recebeu hoje (22) equipe da Polícia Federal para continuar colaborando com todas as instâncias de investigação que envolvem a gestão anterior da pasta. No sentido de esclarecer todas as questões, o MEC reforça que continua contribuindo com os órgãos de controle para que os fatos sejam esclarecidos com a maior brevidade possível”, diz o comunicado oficial da pasta.

Prisão do ex-ministro

O ex-ministro da Educação Milton Ribeiro foi preso nesta manhã pela Polícia Federal, em São Paulo. Ele deve ser levado para Brasília ainda nesta quarta-feira. A investigação apura o envolvimento dele nos crimes de corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência em um suposto envolvimento em um esquema para liberação de verbas do MEC.

Ribeiro foi demitido do cargo de ministro após o escândalo dos “pastores do MEC”. Em áudios divulgados pela imprensa, ele afirmou priorizar pastores aliados na liberação de recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Na gravação, ele ainda cita que o favorecimento era um pedido expresso do presidente Jair Bolsonaro (PL).

  • O ministro da Educação, Victor Godoy Ed Alves/CB
  • O ministro da Educação, Victor Godoy Ed Alves/CB
  • O ministro da Educação, Victor Godoy Ed Alves/CB
  • Jornalistas de prontidão em frente ao prédio do ME, na Esplanada dos Ministérios, após prisão do ex-ministro Milton Ribeiro Ed Alves/CB/DA.PRESS
  • Prédio do MEC: Milton Ribeiro foi preso em uma operação que investiga esquema de corrupção dentro do Ministério da Educação, com verbas do FNDE Ed Alves/CB/DA.PRESS
  • Bolsonaro fala de prisãso do ex-ministro Milton Ribeiro em entrevista à rádio nesta quarta-feira (22/6) Reprodução/Facebook




 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE