ABERTURA DO ANO JUDICIÁRIO

Depois de 11 anos, STF retira grades que cercavam prédio da Corte

Barreiras estavam no local desde 2013 e foram derrubadas por extremistas que invadiram o prédio durante os atentados de 8 de janeiro; confira vídeo

Autoridades participam de ato simbólico de retirada de grades do Supremo Tribunal Federal (STF). -  (crédito:  Fellipe Sampaio /SCO/STF)
Autoridades participam de ato simbólico de retirada de grades do Supremo Tribunal Federal (STF). - (crédito: Fellipe Sampaio /SCO/STF)
postado em 01/02/2024 16:35 / atualizado em 01/02/2024 18:40

O Supremo Tribunal Federal (STF) retirou, nesta quinta-feira (1°/2), as grades de proteção que tinham sido colocadas na área que fica em torno da sede da Corte, na Praça dos Três Poderes, em Brasília. A proteção foi colocada no local em 2013 — período em que começaram os protestos contra a ex-presidente Dilma Rousseff. E foram fixadas em 2016, quando ocorreram atos com a participação de mais pessoas.

Em 2015, ocorreu a invasão da marquise do Congresso Nacional. No ano passado, no 8 de janeiro, as grades ainda estavam no local, mas foram derrubadas por extremistas que invadiram o prédio da Suprema Corte, do Congresso e do Palácio do Planalto. As últimas barreiras foram removidas em um ato simbólico, hoje, pelo presidente do STF, ministro Luís Roberto Barroso, e pelo presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva.

O Congresso Nacional e o Planalto já haviam removido as grades anteriormente — sendo que a Presidência foi a primeira a tomar a decisão. O ato na área externa da Corte ocorreu logo após a sessão de abertura do ano no Poder Judiciário. Com isso, os tribunais do país retomam o expediente e deixam de atender apenas sob regime de plantão, como estava ocorrendo.

Outros magistrados, ministros do Poder Executivo e parlamentares presentes na sessão também acompanharam a liberação do espaço. Com a decisão, turistas, moradores de Brasília e trabalhadores podem circular livremente pela Praça dos Três Poderes e acessar os prédios públicos. A segurança com integrantes da Polícia Militar, Polícia Federal, Polícia Legislativa, Polícia Judicial e do Exército, no caso do Planalto, continuam mantidas normalmente.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
-->