Para poupar Descoberto, Caesb transfere água do reservatório de Santa Maria

Áreas do DF abastecidas pela barragem do Descoberto vão receber água do Sistema Santa Maria. Caesb espera 'poupar o Lago Descoberto' com a transferência

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/12/2017 11:00 / atualizado em 05/12/2017 12:25

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) ampliou a transferência de água do Sistema Santa Maria/Torto ao Sistema Descoberto. Na prática, isso significa que, durante a crise hídrica, mais regiões antes abastecidas apenas pela barragem do Descoberto passam a receber água da outra barragem, localizada no Parque Nacional de Brasília.

 

Leia as últimas notícias do Distrito Federal

 

Em nota, a empresa explica que tenta "poupar o Lago Descoberto", reservatório que chegou a atingir volume próximo a 5% da capacidade em novembro. Segundo a Caesb, a transferência ocorre em uma vazão de 370 litros por segundo. O valor corresponde a 10% do volume de captação estabilizado na barragem do Descoberto. A estatal espera aumentar a capacidade para 700L/s.

 

A transferência começou pelo Guará I e II. Com a ampliação da transferência, regiões do Lúcio Costa, Núcleo Bandeirante, Park Way, Candangolândia e Vila Metropolitana começam a receber água da represa Santa Maria, que, na tarde de segunda-feira (5/12), registrou 22,7% do volume útil disponível para uso. O valor é 0,7 ponto percentual acima da referência para o mês.

 

A barragem do Descoberto, por outro lado, segue em níveis críticos. O alto volume de chuvas registrado em novembro, no entanto, quase dobrou o volume de água no reservatório, que estava com 9,9% da capacidade na tarde de segunda-feira.

 

Confira as regiões atingidas pelo racionamento nesta terça-feira

 

Crise hídrica mantém DF em emergência

 

O governador Rodrigo Rollemberg declarou, em 27 de novembro, 180 dias de situação de emergência por causa da crise hídrica no Distrito Federal. Com isso, o GDF ganhou autonomia para contratos emergenciais sem licitação e deu à Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico (Adasa) autonomia para tomar medidas em relação à distribuição de água no DF.

 

A Adasa, inclusive, chegou a anunciar que ampliaria o racionamento de 24h para 48h caso o volume do Descoberto atingisse 5%. Porém, a agência voltou atrás com o avanço das obras de captação do volume morto naquele manancial.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.