Comissão no Senado define cronograma do processo de impeachment de Dilma

O relator Antonio Anastasia (PSDB-MG) estima dois meses de coleta de provas e oitivas de testemunhas e prevê o interrogatório da presidente afastada

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/06/2016 11:06



A comissão que analisa o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) volta a se reunir nesta quinta-feira (2/6) para discutir o cronograma de atividades, a chamada instrução. Serão reunidas, nesta fase, todas as provas favoráveis e contrárias sobre a denúncia. Uma proposta de cronograma foi apresentada pelo relator do colegiado, senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), na semana passada, mas devido a um pedido de vista feito por senadores contrários ao impeachment de Dilma, que pedem menos pressa na condução do processo.

A comissão analisará as provas e argumentos da acusação e da defesa e ouvirá as testemunhas de cada lado. Ao final, votará o parecer com a chamada sentença de pronúncia, que decide se a presidente afastada será levada a julgamento ou não. Haverá ainda a oportunidade para que a acusação reapresente seus argumentos e também para que Dilma Rousseff se defenda pessoalmente ou por meio de advogados. A partir daí, os senadores da comissão decidem se a denúncia contra a petista procede e se ela deve ser levada a julgamento final.

Leia mais notícias em Política

O relator Antonio Anastasia (PSDB-MG) estima dois meses de coleta de provas e oitivas de testemunhas e prevê o interrogatório da presidente afastada. Anastasia propôs que a votação do parecer ocorra no próximo dia 27 de julho. Segundo o tucano, o plenário da Casa teria condições de votar o relatório da pronúncia até 2 de agosto. Nesta etapa, tanto na comissão quanto no plenário, a votação será mais uma vez por maioria simples, metade mais um dos senadores presentes na sessão.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.