Publicidade

Correio Braziliense

'Tragédia nos pegou totalmente de surpresa', diz presidente da Vale

Segundo Fabio Schvartsman, cerca de 300 funcionários - da companhia e terceirizados - trabalhavam no local no momento do acidente


postado em 25/01/2019 19:38 / atualizado em 25/01/2019 19:55

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)

O presidente da Vale, Fabio Schvartsman, disse na noite desta sexta-feira (25/1) que o rompimento de uma barragem de rejeitos em Brumadinho (MG) pegou a empresa "totalmente de surpresa". "Estou completamente dilacerado", afirmou em uma entrevista coletiva concedida no Rio de Janeiro. "Não sabemos o que foi que houve com essa barragem. É muito cedo para qualquer pessoa ter essa informação", acrescentou.

Schvartsman deve ir para a cidade mineira ainda nesta sexta. Segundo o presidente, cerca de 300 funcionários — da companhia e terceirizados — trabalhavam no local no momento do acidente. "Não sabemos quantos foram acidentados, porque houve um soterramento pelo produto vazado da barragem", justificou. 
 
Ver galeria . 38 Fotos Corpo de Bombeiros/Divulgação
(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação )
 

Ainda segundo o presidente da Vale, a barragem que rompeu nesta sexta-feira estava inativa há três anos. Por isso, o dano ambiental deve ser menor do que o provocado pela tragédia semelhante em Mariana. Na parte humana, porém, esta tragédia deve ser maior. Também de acordo com ele, empresas especializadas atestavam periodicamente a estabilidade da mina em Brumadinho.
 
A companhia colocou 40 ambulâncias para auxiliar no resgate a vítimas e disse que, caso os hospitais públicos da região não comportem todos os pacientes, eles serão realocados em unidades particulares. A Vale, conforme o presidente, também está monitorando o local para evitar novos rompimentos.
 
 

Tragédia 

A barragem de rejeitos da Vale se rompeu no início da tarde desta sexta. Segundo o Corpo de Bombeiros, ao menos 200 pessoas estão desaparecidas.

O presidente Jair Bolsonaro anunciou que três ministros (do Desenvolvimento Regional, Gustavo Henrique Canuto; Minas e Energia, Bento Albuquerque; e Meio Ambiente, Ricardo Salles) estão a caminho do local. Ele próprio deve ir à cidade mineira na manhã deste sábado (26/1). Enquanto isso, um gabinete de crise foi montado no Palácio do Planalto para acompanhar todo o desenrolar da situação.

Vale lembrar que, há três anos, um episódio semelhante aconteceu na cidade de Mariana, também em Minas Gerais. Dezenove pessoas morreram, nesta que, até hoje, era considerada a maior tragédia socioambiental da história do país. Ninguém foi punido. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade