Publicidade

Correio Braziliense

Polícia prende acusados de agredir e jogar jovem para fora de ônibus

Seis suspeitos foram identificados, entre eles, três adolescentes. Polícia Civil trata o caso como latrocínio (roubo com morte)


postado em 09/03/2018 21:18 / atualizado em 09/03/2018 21:52

David de Brito, 21, é lembrado por familiares como um jovem alegre(foto: Arquivo pessoal)
David de Brito, 21, é lembrado por familiares como um jovem alegre (foto: Arquivo pessoal)
 A Polícia Civil prendeu três homens e apreendeu três adolescentes suspeitos de terem assassinado David de Brito, 21 anos. O crime aconteceu na terça-feira de carnaval (13 de fevereiro), depois que a vítima se recusou a entregar o celular. O jovem foi espancado e jogado para fora de um ônibus em movimento, da linha 616.2, que faz o trajeto Plano Piloto-Planaltina. David morreu no dia 24 do mesmo mês, no hospital.

A 13ª Delegacia de Polícia (Sobradinho) ficou responsável pelo caso e chegou aos seis suspeitos do crime, tratado como latrocínio (roubo com morte). Entre eles, está o homem acusado de ter começado as agressões, Bruno Neves de Jesus. Os outro dois maiores envolvidos foram identificados como Euler da Silva Coelho e Willian Cesar Santos dos Anjos, tido como líder do grupo. 

Para a mãe de David, Nilma de Brito, 42, a prisão dos envolvidos trouxe alívio. “Eu sei que isso não vai trazer o meu filho de volta e, de verdade, essa era a única coisa que eu queria na vida. Mas ver que parte desses monstros que fizeram isso com o meu filho foram presos me proporciona, sim, alívio”, afirma.

Procurada, a assessoria da Piracicabana, empresa responsável pela linha em que aconteceu o crime, não atendeu as ligações. À época, a empresa alegou que as câmeras de segurança teriam sido quebradas durante o feriado nacional e que o motorista e o cobrador da linha daquele horário não teriam visto o ocorrido. 

Relembre o caso

Após de sair de um bloco de carnaval com uma prima, de 19 anos, e um amigo, David seguiu com o grupo para a plataforma superior da Rodoviária do Plano Piloto, onde pegaram o ônibus. Um grupo de 20 pessoas estaria tumultuando e roubando os passageiros. David se negou a entregar o celular e foi agredido, antes de ser jogado para fora do veículo em movimento, na altura da Home Center Rezende, perto de Sobradinho. 

A prima conta que David alegou não ter celular, mas que o homem acusado de começar as agressões o teria revistado. “Ele disse que não tinha aparelho, mas ele achou e começou a bater nele. Depois, outros ajudaram, até empurrarem ele para fora do ônibus. Quando o motorista parou, fomos atrás do meu primo, que estava desmaiado na rua”, relembra a familiar.

Um motorista que passava pela via parou para auxiliar o grupo e esperou até que o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegasse ao local. David foi encaminhado ao Hospital Regional de Sobradinho, mas foi levado para o Hospital de Base — por conta das lesões.

Ele deu entrada na unidade de saúde no dia 14 de fevereiro, onde passou por cirurgia neurológica. David ficou internado 10 dias e não resistiu às lesões. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade