Publicidade

Correio Braziliense

Homem resgatado de cativeiro em MT tinha dívidas com sequestradores

A afirmação é do diretor da Divisão de Repressão a Sequestros, Leandro Ritt, que não descarta a possibilidade de o caso envolver tráfico de drogas


postado em 14/03/2018 15:52 / atualizado em 14/03/2018 16:01

Casa usada como cativeiro, na fronteira com a Bolívia(foto: Polícia Civil/Divulgação)
Casa usada como cativeiro, na fronteira com a Bolívia (foto: Polícia Civil/Divulgação)
 

A Polícia Civil busca entender a relação entre o morador do Distrito Federal resgatado de um sequestro na terça-feira (13/3), em Mato Grosso, e o mentor do crime, identificado como Osvaldo Donizete Garcia, 49 anos. Segundo o diretor da Divisão de Repressão a Sequestros (DRS), Leandro Ritt, o crime tem relação com dívidas que a vítima teria com o acusado. A possibilidade de o caso envolver tráfico de drogas não está descartada.

 

Ivanildo da Silva Rodrigues foi abordado por criminosos em 6 de março, na frente do condomínio onde mora, em Samambaia. Ficou desaparecido por uma semana, até ser resgatado em Porto Esperidião (MT), cidade a cerca de 400km de Cuiabá, na fronteira com a Bolívia. Três homens foram presos e vão responder por extorsão mediante sequestro. Se condenados, podem pegar de 12 a 20 anos de prisão. Em um vídeo gravado por policiais, a vítima mostra o local em que passou os últimos dias.

 

 

 

"O Osvaldo alega que seria uma dívida de R$ 80 mil, mas ele receberia como pagamento duas caminhonetes no valor de R$ 100 mil cada mais uma alta quantia em dinheiro, totalizando aproximadamente R$ 300 mil. E ainda assim, a vítima continuaria devendo, o que aponta uma dívida muito maior que os R$ 80 mil", explicou Ritt, que descartou simulação de crime. "De maneira nenhuma a vítima participou do próprio sequestro. Existe um negócio que não foi quitado, o que será a segunda parte da investigação", destacou. Tal negociação teria sido fechada em Mato Grosso, acrescenta o policial.

 

Um detalhe que ajudou a polícia a apurar melhor a história do sequestro foi o fato de a família ter demorado algumas horas para registrar ocorrência. "Há convicção da extorsão mediante sequestro. Não existem dúvidas disso. Agora, o que teria motivado o crime é a segunda fase da investigação", ressaltou Ritt. 

 

Ivanildo deve chegar a Brasília no fim da tarde desta quarta-feira, quando deve prestar depoimento na DRS. Um dos pontos a ser esclarecido é a afirmação, feita por Osvaldo, de que a vítima havia comprado uma caminhonete Hilux no outro estado e trazido para Brasília. "Quem compra um veículo na fronteira com a Bolívia para trazer para Brasília?", questionou o delegado. 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade