Publicidade

Correio Braziliense

Secretaria de Saúde confirma primeira morte por H1N1 no DF em 2018

Um homem de 54 anos morreu no hospital de Ceilândia, no fim de março


postado em 11/04/2018 16:49 / atualizado em 11/04/2018 17:21

A campanha de vacinação no DF, que começa em 23 de abril, tem como meta imunizar 708 mil pessoas(foto: FRED TANNEAU)
A campanha de vacinação no DF, que começa em 23 de abril, tem como meta imunizar 708 mil pessoas (foto: FRED TANNEAU)

 

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal registrou a primeira morte causada pelo vírus Influenza A (H1N1) em 2018. Em coletiva de imprensa nesta quarta-feira (11/4), a pasta confirmou outros dois casos da doença no DF.

 

A vítima era um homem de 54 anos, que tinha doença hematológica e estava internado no Hospital Regional de Ceilândia. Segundo a pasta, ele deu entrada na unidade de saúde no fim de março e morreu no dia 30, mas a infecção pelo vírus só foi confirmada ontem à noite.

 

Os outros dois casos de H1N1 tratados no DF evoluíram para cura. O primeiro, de uma criança, de 1 ano e 3 meses, foi registrado no começo de março, no Hmib. Ela chegou a ficar internada e se curou. O outro caso é de uma criança de 1 ano, moradora de Águas Lindas, que está sendo tratada no Hospital de Base. Como ela não mora no DF, o caso não entrará no boletim epidemiológico local.

 

A diretora de Vigilância Epidemiológica do DF, Beatriz Ruy, o Secretário de Saúde, Humberto Lucena da Fonseca, e o subsecretário de Vigilância da Saúde, Marcus Quito, confirmam a primeira porte por H1N1 no Distrito Federal(foto: Renata Nagashima/CB/D.A. Press)
A diretora de Vigilância Epidemiológica do DF, Beatriz Ruy, o Secretário de Saúde, Humberto Lucena da Fonseca, e o subsecretário de Vigilância da Saúde, Marcus Quito, confirmam a primeira porte por H1N1 no Distrito Federal (foto: Renata Nagashima/CB/D.A. Press)
A campanha de vacinação no DF começa em 23 de abril. A previsão é a de que o DF receba do Ministério da Saúde 777 mil doses. A meta do governo é vacinar 708 mil pessoas. Participaram do anúncio a diretora de Vigilância Epidemiológica do DF, Beatriz Ruy, o secretário de Saúde, Humberto Fonseca, e o subsecretário de Vigilância da Saúde, Marcus Quito.

 

Humberto Fonseca afirmou que o aumento no número de casos de gripe é comum nesta época do ano. “É uma sazonalidade normal do fim do período do verão", observou. "Todos os anos temos esse aumento.” Segundo Fonseca, o principal vírus que está circulando não é o influenza, mas, sim, o vírus sincicial respiratório, que atinge mais crianças.

 

Em 2017, nenhum morador do DF teve a doença. Contudo, em 2016, foram registrados 133 casos e 17 mortes.

 

Dois casos registrados no Entorno

 

Dois municípios do Entorno do DF registraram casos de gripe H1N1. Luziânia, distante 60km de Brasília, e Valparaíso de Goiás, a 37km, tiveram um caso da doença cada. Anápolis, município a 150 km de Brasília, também registrou uma infecção. As informações foram divulgadas na terça-feira (10/4) pela Secretaria de Saúde de Goiás. Ao todo, 63 pessoas adoeceram no estado vizinho. Dessas, oito morreram. A campanha de vacinação contra a gripe na região foi antecipada.

 

 

* Estagiária sob supervisão de Mariana Niederauer 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade