Publicidade

Correio Braziliense

Em 30 minutos, dois homens são presos por violência contra a mulher no DF

Os dois crimes aconteceram na noite de quinta-feira (30/8) em Ceilândia e Sobradinho e deixaram as vítimas com ferimentos


postado em 31/08/2018 11:33 / atualizado em 31/08/2018 11:34

(foto: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)
(foto: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)

O Distrito Federal registrou dois casos de violência contra a mulher num intervalo de 30 minutos, na última quinta-feira (30/8). Os crimes foram cometidos em Sobradinho e Ceilândia, e deixaram as vítimas feridas. O primeiro caso, enquadrado na Lei Maria da Penha, aconteceu às 22h10, quando a Polícia Militar recebeu um chamado de violência doméstica em Ceilândia. A vítima, esposa do suspeito, ligou para a PM após ele prender seu braço em uma porta de ferro. A agressão deixou a mulher com um corte profundo, de 5 centímetros, segundo o Centro de Comunicação Social da Polícia Militar (CCSPM).

Quando os militares chegaram ao local, encontraram a mulher ferida e deram voz de prisão ao marido, de 42 anos, que foi autuado em flagrante e levado para a 24ª Delegacia de Polícia (Setor O). Do outro lado da cidade, Sobradinho II, uma garota de 16 anos foi agredida pelo padrasto, de 34.

Esse segundo crime, registrado às 22h40, apenas 30 minutos após o caso de Ceilândia, foi atendido pela PM quando a jovem ligou para o 190. A enteada acusou o homem de dar socos nela após uma discussão, e a polícia viu a jovem com lesões na boca e na cabeça. O padrasto também foi autuado em flagrante pela Lei Maria da Penha, e acabou levado para a 13ª DP (Sobradinho). 
 

Mais casos  

Os crimes da noite de quinta-feira se somam a outros registrados nesta madrugada. Às 3h um homem acabou autuado por tentativa feminicídio por ter estrangulado a ex-esposa no Gama. Meia hora mais tarde, um novo crime: um homem portando duas facas invadiu a casa da cunhada derrubando o portão para agredir a mulher, que se abrigava lá. Neste último caso, o acusado foi preso e responderá pela Lei Maria da Penha.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade