Publicidade

Correio Braziliense

Rollemberg critica tanques em setor de Brasília e veículos são retirados

Governador se manifestou por meio do Twitter, na noite deste domingo (30/12)


postado em 30/12/2018 21:32 / atualizado em 30/12/2018 23:18

Neste domingo, tanques foram levados às ruas de Brasília para o ensaio da posse de Bolsonaro(foto: Sérgio Lima/AFP)
Neste domingo, tanques foram levados às ruas de Brasília para o ensaio da posse de Bolsonaro (foto: Sérgio Lima/AFP)
O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, afirmou, na noite deste domingo (30/12), por meio das redes sociais, que após uma reclamação dele foi ordenada a retirada de tanques do Exército que estavam no Setor de Rádio e TV Sul.

Em uma primeira postagem no Twitter, Rollemberg queixou-se dos tanques. "Desnecessária a presença de tanques no Setor de Rádio e TV Sul a pretexto de 'proteger a transmissão da posse'. A PMDF tem todas as condições de garantir a segurança", escreveu o governador.
 
Pouco depois, ele fez uma nova postagem: "Comando Militar do Planalto retirou os Urutus em torno da EBC *Empresa Brasil de Comunicação). A PMDF ficará responsável pela segurança da região."


 

 
O Exército acatou o pedido do governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, e retirou os blindados que se posicionaram na tarde deste domingo (30/12) em frente à Agência Brasil de Comunicação (EBC). Apesar da decisão, o Exército minimiza a saída dos veículos. O coronel Gilberto da Silva Brevilieri, chefe do Estado-Maior da 3ª Brigada de Infantaria Mecanizada, batalhão ligado ao Comando Militar do Planalto, garante que não houve nenhuma interferência do gestor. 

A chegada e retirada dos blindados foi, segundo Brevilieri, uma decisão integrada das forças de segurança pública e de Estado, chefiada pelo coordenador de segurança de área (CSA) local, general Marco Antônio Martin da Silva. Brevilieri garante, no entanto, que a própria Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), que ficará encarregada de garantir a segurança da EBC — transmissora oficial da cerimônia de posse — havia sido comunicada da presença dos blindados.

A estrutura integrada contempla todos os órgãos e agências de ação protetiva da área na posse presidencial. “Tem as polícias federal e distrital”, informou Brevilieri. A presença dos blindados, garante, era apenas por questões de ensaio. “Era apenas um treinamento. Hoje foi um dia de ensaio, segundo e último dia. No dia da posse mesmo não teriam os blindados”, assegurou. 

O objetivo dos ensaios era prover uma organização militar caso a PMDF não conseguisse fazer a segurança da EBC. “Se não conseguisse fazer a cobertura, faríamos para garantir que as imagens ali capturadas fossem ser enviadas de forma segura para toda a população”, afirmou o chefe do Estado-Maior da 3ª Brigada de Infantaria Mecanizada.

O uso dos blindados para fazer a segurança também foi minimizado. Para Brevilieri, trata-se de apenas equipamentos. “Não estavam ali por outro motivo que não fosse promover a segurança. É necessário segurança para que não haja nenhuma intercorrência que impeça a transmissão das imagens para o Brasil e exterior. A natureza das tropas militares envolvidas, no caso, a nossa, possui esse equipamento”, destacou.  

Todos terão, durante a posse, missões específicas na operação da posse presidencial. Por esse motivo, Brevilieri avalia com naturalidade a presença de blindados em frente à EBC e não vê problemas em sair após decisão integrada. “Não há protagonismo, mas integração. Não estabelecemos fronteiras de importância, sendo que o interesse é comum. Cada um dentro de sua especificidade”, ponderou.  



Ensaio para a posse 

Neste domingo, ocorreu o último ensaio para a posse de Bolsonaro, que ocorre na terça-feira (1º/1). A simulação foi marcada pela presença de muitos aparatos de segurança. Além do Exército, a Aeronáutica também participará da segurança do evento, previsto para começar 14h30. Será a primeira vez que uma cerimônia de transmissão de faixa presidencial precisará contar com o suporte da defesa aérea.
 
Neste domingo (30/12), foi possível perceber um forte esquema de segurança no último ensaio da cerimônia. No dia da posse, a área contará com equipamentos antimísseis, aviões de combate e um controle terrestre rigoroso. Mais de 3,2 mil policiais, bombeiros e integrantes do Exército, da Marinha e Aeronáutica farão parte do esquema. O Palácio do Planalto estima a presença de 250 mil a 500 mil pessoas na Esplanada, por onde passará o cortejo presidencial. 
 
O presidente desembarcou na capital federal no sábado (29/12) sob homenagens e aplausos.  
 
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade