Publicidade

Correio Braziliense

Após apuração do Correio, operação prende 19 suspeitos de grilagem

Reportagens do Correio mostraram que a área de preservação entre o Itapoã e Paranoá era alvo de grilagem e que um pastor era apontado como um dos líderes. Investigação da Polícia Civil encontrou outra região invadida


postado em 25/01/2019 18:02 / atualizado em 25/01/2019 18:02

Invasão de terras teve até construções de barracos durante a madrugada (foto: Divulgação/PCDF)
Invasão de terras teve até construções de barracos durante a madrugada (foto: Divulgação/PCDF)
 
A Polícia Civil prendeu 19 pessoas na Operação Terra Limpa, deflagrada na manhã desta sexta-feira (25/1). A ação visou combater invasões de terras públicas no Paranoá e em uma região chamada pelos invasores de "Nova Planaltina". As investigações do caso começaram quando o Correio descobriu o crime e produziu uma série de matérias contando detalhes das irregularidades, no Núcleo Rural Córrego do Bálsamo, entre o Itapoã e o Paranoá. Após a descoberta, a PCDF ainda apurou que outra área era alvo de grilagem. 

A operação foi dividida em duas partes. Na primeira, representantes da PCDF, da Polícia Militar e da Agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis) foram até um local conhecido como Curral Comunitário, área rural do Paranoá. Segundo a investigação, suspeitos começaram a realizar obras durante a madrugada para despistar a polícia, e chegaram a construir mais de 100 barracos.

Na segunda parte, os agentes foram até o assentamento "Nova Planaltina", onde foi descoberto um grupo criminoso que "grilava terras públicas, praticava dano ambiental e ameaçava quem divergia dos líderes", segundo a Polícia Civil. As investigações devem prosseguir e ainda podem render a prisão de mais envolvidos. 

A operação foi deflagrada pelo Departamento de Polícia Especializada (DPE), com o apoio do Departamento de Polícia Circunscricional (DPC) e do Departamento de Atividades Especiais (Depate).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade