Publicidade

Correio Braziliense

Crescem denúncias contra homem que tentou invadir escola na Asa Norte

Edílson Meneses da Cruz, 49, anos foi preso nesta sexta-feira (8/2), no galpão do Departamento de Trânsito


postado em 08/02/2019 17:15 / atualizado em 08/02/2019 17:14

O ex-policial civil foi preso nesta sexta-feira (8/2)(foto: Divulgação/PMDF)
O ex-policial civil foi preso nesta sexta-feira (8/2) (foto: Divulgação/PMDF)
O acusado de tentar invadir a escola Pedacinho do Céu, na Asa Norte, permanece detido na 2ª Delegacia de Polícia (Asa Norte). Com extensa ficha criminal, Edílson Meneses Cruz, 49 anos, deve responder por mais processos. Após a prisão dele, nesta sexta-feira (8/2), pelo menos duas pessoas registraram ocorrências. 

Edílson é ex-policial civil e responde por crimes como estupro, manter a ex-namorada e a filha reféns, lesão corporal e ultraje público ao pudor. Nesta sexta (8), funcionárias de uma academia que ele frequentava, também na Asa Norte, compareceram à delegacia para registrar ocorrência. 

Uma das testemunhas, que preferiu não se identificar, contou que trabalhava na academia e que as reclamações contra Edílson eram frequentes. "Ele mexia com as clientes e, uma vez, entregou um bilhete com o número de telefone dele para uma criança de 6 anos", relatou.
 
Segundo a mulher, o suspeito chegou a invadir a academia para importunar os frequentadores. "Ele já foi advertido e está com a mensalidade atrasada. Estamos procurando a polícia, porque não queremos que ele volte a frequentar o lugar", disse. 

Outra testemunha, que trabalhava na brinquedoteca da academia, contou que Edílson chegou e se apresentou como professor de artes marciais e ofereceu aula pra uma criança de 10 anos. "Quando ficamos sabendo que ele foi preso, recomendaram vir registrar ocorrência contra ele", afirmou.

O caso também mobilizou mães de estudantes da Asa Norte. Uma delas, que também preferiu não se identificar, relatou ao Correio que homem foi visto nas imediações da escola onde o filho estuda, na 912 Norte. "Ficamos todas preocupadas. O nosso medo é esse homem ser solto", comentou. Assustadas, elas criaram um grupo no WhatsApp para trocar informações sobre o caso. "Tudo o que sabemos mandamos por aqui para tranquilizar umas às outras", contou. 

Prisão 

Edílson foi encontrado nesta manhã, no galpão do Departamento de Trânsito (Detran). Agentes o reconheceram e acionaram a Polícia Militar, que encaminhou o homem à 5ª Delegacia de Polícia (Área Central). Segundo a PM, como não havia mandado e a prisão não foi em flagrante, o ex-policial não pode permanecer preso, mas foi levado à unidade da Asa Norte para prestar esclarecimentos. Até a mais recente atualização desta reportagem, ele permanecia detido.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade