Publicidade

Correio Braziliense

Ação da PCDF termina com prisões por roubo e violência doméstica no Itapoã

Quatro pessoas foram presas por delitos como roubo e violência doméstica e duas, acusadas de tráfico de drogas


postado em 24/04/2019 19:26 / atualizado em 24/04/2019 19:26

Prisões foram deitas por agentes da 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá)(foto: Adauto Cruz/CB/D.A Press)
Prisões foram deitas por agentes da 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá) (foto: Adauto Cruz/CB/D.A Press)
Durante esta quarta-feira (24), policiais da 6ª DP cumpriram quatro mandados de prisão e busca e apreensão. A ação terminou com três homens presos por roubo, violência doméstica e pensão alimentícia. Um adolescente também foi detido pelo ato infracional análogo ao crime de furto. O trabalho dos agentes faz parte da Operação PC27, deflagrada pela Polícia Civil em território Nacional. No Distrito Federal, mais de 100 policiais foram às ruas para o cumprimento dos mandados expedidos pela Justiça. 
 
Conforme apuração da equipe coordenada pela delegada-chefe Jane Klebia, da 6ª DP (Paranoá), o suspeito detido por não pagar a pensão do filho tinha quatro mandados em aberto pelo delito. "Em primeiro momento, acreditamos que se tratava de mulheres distintas. No entanto, investigando a situação, vimos que, na verdade, tratava-se da mesma ex-companheira. Isso indica, inclusive, que o acusado não se importava com as ações legais", delimita. 
 
Para a delegada, as ações significam uma mudança significativa tanto para a população quanto para as pessoas que conviviam com os homens. "Esses trabalhos trazem uma sensação de segurança para todos. Também fecha o ciclo de trabalho da própria Polícia Civil. O nosso labor é receber a denúncia, investigar e prender. Quando cumprimos os mandados e deixamos os presos à disposição da Justiça, finalizamos o nosso objetivo", observa Jane Klebia.  
 
Ainda durante a operação, no fechamento de uma boca de fumo também no Itapoã, usuários de drogas tentavam comprar entorpecentes de policiais civis que faziam a guarda da casa onde agentes realizavam a ação. O caso aconteceu na noite de terça-feira (23/4), quando investigadores da 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá) apuravam a denúncia por tráfico de drogas que culminou na prisão de duas pessoas. 
 
Segundo informações da delegada-chefe Jane Klebia, a investigação acerca do ponto de tráfico iniciou depois de a delegacia receber diversas denúncias sobre a área. "Os boletins eram muito parecidos e sempre descreviam as mesmas pessoas e o modus operandi que adotavam para a venda dos entorpecentes. Estas informações foram cruciais para apurarmos a situação", frisa. 
 
As denúncias eram sobre duas pessoas, um homem e uma mulher de 29 e 24 anos, respectivamente. A dupla não era um casal, mas agia em conjunto para conseguir clientela e comercializar as drogas. "Quando chegamos para a ação ontem, ambos estavam no local, com entorpecentes e dinheiro em espécie. Só que havia usuários desavisados, que não notavam que as duas pessoas paradas na porta da residência não eram traficantes, mas, sim, agentes que faziam nossa guarda", detalha a delegada. 
 
De acordo com Jane Klebia, os clientes dos traficantes chegavam perguntando se os policiais tinham a droga para venda. Ainda segundo a delegada, os agentes afirmavam ter os entorpecentes "diziam para eles entrarem na casa". "Quando isso acontecia, ia todo mundo para o 'paredão' (para revista) e, em cerca de 40 minutos, já tínhamos pegado 25 usuários."
 
Para a delegada, a alta procura pelas drogas indica que a boca de fumo era ativa a qualquer horário e, até mesmo, um ponto bem disseminado entre os usuários do Itapoã. O homem e a mulher acabaram presos em flagrante e encaminhados para a Divisão de Controle e Custódia de Presos (DCCP) da Polícia Civil.   

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade