Publicidade

Correio Braziliense

Feminicídio: servidora é morta em prédio da Secretaria de Educação

Crime aconteceu na manhã desta segunda-feira. Policial civil entrou, disparou contra a companheira e se suicidou logo em seguida


postado em 20/05/2019 10:30 / atualizado em 20/05/2019 20:58

(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Uma servidora da Secretaria de Educação foi assassinada em um prédio do órgão, na manhã desta segunda-feira (20/5). O crime aconteceu no interior da Coordenação Regional de Ensino do Plano Piloto e Cruzeiro, na 511 Norte, onde funciona, desde o fim de abril, a Subsecretaria de Gestão de Pessoas da pasta. 

 

A vítima, Debora Correa, e o assassino, Sergio Murilo dos Santos(foto: Reprodução)
A vítima, Debora Correa, e o assassino, Sergio Murilo dos Santos (foto: Reprodução)
Segundo informações da Polícia Miliitar do Distrito Federal (PMDF), o policial civil Sergio Murilo dos Santos, que teve relacionamento com a vítima, entrou no prédio, foi até o terceiro andar e disparou contra ela ao menos duas vezes. Ele se matou em seguida. A servidora foi identificada como Debora Tereza Correa, 43 anos.

 

As informações foram confirmadas ao Correio pelo secretário Rafael Parente, que cancelou a agenda da manhã e se deslocou para o local do crime. Logo depois, ele confirmou o crime também pelo Twitter. "Houve um homicídio agora na nova Sede II, na 511 norte. Estou a caminho. A Caravana da Educação da Regional do Núcleo Bandeirante está suspensa", escreveu.



Ainda de acordo com o secretário, Debora era servidora desde 2001 e já foi lotada em escolas e na Escola de Formação Eape. "É muito triste. Será que vamos ter que colocar detector de metais em todos os lugares? Não queria que chegasse a esse ponto. Estou muito abalado", afirmou Parente, já diante do prédio.

Parente disse ainda que o assassino tinha sido namorado de Debora. "Eles se conheciam. Ele chegou aqui procurando por ela, se identificou na entrada e foi até ela. Eles discutiram e, quando ela ia voltar para a sala dela, ele deu os tiros e depois atirou no próprio olho", contou.

A Polícia Civil confirmou que Murilo fazia parte da corporação e afirmou, em nota, que "lamenta profundamente o episódio". "As circunstâncias estão sendo apuradas", informava o texto. O delegado destacado para o caso disse que Debora já havia prestado queixa contra Murilo, que, segundo testemunhas, agiu de forma "fria" e chegou a sorrir ao ver Debora.

O governador Ibaneis Rocha classificou o crime como "bárbaro, cruel" e disse que, além dos esfroços governamentais, o combate ao feminicídio exige a colaboração de toda a sociedade, de vizinhos ao Poder Judiciário.

 

Pânico e terror

Debora trabalhava na Coordenação Regional de Ensino do Plano Piloto e Cruzeiro. Desde o final de abril, funcionava ali a subsecretaria de gestão de pessoas da pasta. 
"É um lugar que a gente acabou de inaugurar. Vim aqui semana passada desejar felicidades para os servidores e hoje estamos aqui nessa situação", lamentou Parente. 

Segundo a servidora Isabel Helena Rabelo, 47 anos, ao ouvir os tiros, muitos pensaram que se tratava de algum objeto caindo. Outros servidores acreditaram ser barulho de uma reforma que está sendorealizada nos banheiros.

"Foram três tiros muitos altos. Pensamos que era armário caindo de tão alto que foi. Quando falaram que era tiro foi um momento de pânico e terror. Todo mundo correndo e descendo as escadas", contou a servidora.

Notas de pesar 

Em nota, a Secretaria de Educação lamentou a morte da servidora e informou que ela atuava na rede pública de ensino desde 2001. "Neste momento de dor, a SEEDF se solidariza com a família, os amigos e os colegas da servidora. A pasta está à disposição para contribuir na investigação do caso."
 
Também em nota, a Polícia Civil do DF confirmou o envolvimento do servidor da corporação. "A instituição lamenta profundamente o episódio. As circunstâncias estão sendo  apuradas e, posteriormente, traremos mais detalhes. A investigação ficará à cargo da Corregedoria Geral de Polícia (CGP)", diz o texto. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade