Publicidade

Correio Braziliense

Exonerada, ex-comandante da PM formaliza pedido para ingressar na reserva

A oficial encaminhou o requerimento ao Departamento de Gestão de Pessoal (DGI) e ainda na terça-feira (6/8) o documento foi assinado


postado em 07/08/2019 14:17 / atualizado em 07/08/2019 21:47

Ex-comandante da PM quer se dedicar a família(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Ex-comandante da PM quer se dedicar a família (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Exonerada do comando da Polícia Militar, a ex-comandante da corporação, coronel Sheyla Sampaio, formalizou o pedido para a reserva remunerada no mesmo dia em que saiu do cargo. A oficial encaminhou o requerimento ao Departamento de Gestão de Pessoal (DGI) e ainda na terça-feira (6/8) o documento foi assinado. Somente após a publicação em Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) ela se apresenta a Diretoria de Inativos, Pensionistas e Civis (DIPC) da PM. 

 

Sheyla não quis se posicionar sobre o assunto nem repercutir a exoneração. Ao Correio, limitou-se a dizer que "nada do que for falado ou esclarecido mudará a situação atual". Também ressaltou que pretende se dedicar à família. "Da qual fiquei ausente por esses meses", destacou. 

 

A exoneração da coronel foi publicada em edição extra do Diário Oficial do DF na terça-feira. Quem vai substituí-la é o coronel Julian Rocha Pontes, que até então era subsecretário de Operações Integradas da Secretaria de Segurança Pública. Com a exoneração de Sheyla foi publicada também a demissão do chefe da Casa Militar, tenente-coronel Marcus Paulo Koboldt. Entre as razões para tirar a coronel do comando, o governador Ibaneis Rocha (MDB) citou a perda de autoridade dela e as dificuldades para comandar a tropa.

 

Além disso, um dos principais motivos para a saída de Sheyla tem relação com o projeto de transformar o Centro Médico da PM em um Hospital da Segurança Pública. À frente da PM, Sheyla se mostrou contrária a decisão de fazer da policínica da PM um hospital para atendimento médico de todas as forças policiais: militares, civis e integrantes do Corpo de Bombeiros do DF.

 

Em junho, Ibaneis decidiu delegar à Secretaria de Segurança Pública do DF as providências para a implantação da unidade de saúde, o que gerou questionamentos da coronel, que seguiu o que pensa a maioria dos integrantes da força. 


Enquanto integrante do governo, a postura da coronel gerou insatisfação do secretário de Segurança Pública, Anderson Torres. "Houve uma questão de desalinho. Não acho a Sheyla uma má pessoa ou vejo faltas graves por parte dela. O governador entendeu que era hora de mudar e fez a mudança", justificou o chefe da pasta. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade