Publicidade

Correio Braziliense

Ibaneis é criticado por dizer que militarizará escolas contrárias ao modelo

Sinpro e distritais criticaram decisão anunciada pelo governador de levar gestão compartilhada com a PM mesmo para colégios onde resultado da votação foi contrário ao projeto


postado em 18/08/2019 20:40 / atualizado em 18/08/2019 20:46

(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A.Press - 11/02/2019)
(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A.Press - 11/02/2019)
A decisão do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, de levar a gestão compartilhada com a Polícia Militar mesmo para os colégios que rejeitaram o modelo, em votação realizada no sábado (17/8), provocou críticas do Sindicato dos Professores do Distrito Federal (Sinpro-DF) e de parlamentares. Ibaneis fez o anúncio de sua intenção neste domingo, um dia depois de duas das cinco escolas consultadas terem tido resultado contrário ao modelo.

Rosilene Corrêa, diretora do Sinpro-DF, alegou que a postura do chefe do Executivo "é uma demonstração de autoritarismo". "A Lei de Gestão Democrática estabelece a soberania das posições da comunidade escolar. E, ainda que essa legislação não existisse, seria ao menos razoável que o governador ouvisse as pessoas envolvidas no processo. As pessoas que o elegeram não têm que comungar com 100% do pensamento dele", argumentou.

Em nota enviada à imprensa, o distrital Fábio Félix (PSol) defendeu o respeito à democracia escolar. "Trata-se de uma atitude ilegal e que ataca diretamente a autonomia dos docentes, diretores, estudantes e responsáveis que disseram não ao modelo. Fica evidente o desespero do governador ao constatar que, aos poucos, o modelo vendido como salvação da educação pública está sendo desmontado", criticou.

Desrespeito

Leandro Grass (Rede) adiantou que estudará as medidas cabíveis para barrar a decisão. "O governo fez um pacto com a sociedade e o desrespeitará. Ibaneis e a Secretaria de Educação não podem decidir tudo de forma unilateral. Esperávamos respeito ao resultado das votações", declarou. O tema será discutido em audiência pública sobre a Lei de Gestão Democrática na Câmara Legislativa, na próxima quinta-feira (22/8).

Vice-presidente regional da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), Marcelo Acácio declarou que a entidade estuda a realização de um ato em protesto à decisão do governador. “Desde o início, houve falhas no diálogo, uma que vez que a militarização foi prevista em uma Portaria. O que vemos é que a voz dos estudantes, pais e professores não tem valor”, afirmou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade