Publicidade

Correio Braziliense

Polícia Civil continua investigações sobre caso de vigilante esquartejado

Partes de corpo encontradas estão em processo de perícia e passarão por testes de DNA. Crime ocorreu no último sábado (9/11)


postado em 14/11/2019 12:23 / atualizado em 14/11/2019 13:38

As investigações da Polícia Civil indicam que Marcos Aurélio foi vítima de uma armação planejada pela ex-namorada(foto: Reprodução/Facebook)
As investigações da Polícia Civil indicam que Marcos Aurélio foi vítima de uma armação planejada pela ex-namorada (foto: Reprodução/Facebook)
A Polícia Civil do Distrito Federal divulgou na manhã desta quinta-feira (14/11) que as investigações do caso de assassinato e esquartejamento do vigilante Marcos Aurélio Rodrigues de Almeida, 32 anos, continuam. Segundo informado pela corporação, as partes do corpo da vítima estão sendo examinadas pela equipe de médicos-legistas do Instituto de Medicina Legal (IML) e passarão por exames de DNA.

 

Algumas partes do corpo do vigilante ainda não foram encontradas. A polícia busca, principalmente, por vestígios da retirada e localização da cabeça da vítima. As buscas e investigações estão sob responsabilidade da 32ª Delegacia de Polícia, em Samambaia Sul. 

 

crime, que chocou o Distrito Federal nesta semana, ocorreu no último sábado (9/11), quando Marcos saía do trabalho, em um restaurante do Setor de Indústrias Gráficas (SIG) para encontrar a ex-namorada. A suspeita é que Marcos Aurélio tenha sido morto, e depois, esquartejado. E as partes do corpo tenham sido dispostas em diferentes locais de Samambaia.

 

Os investigadores avaliam a possibilidade de que o crime tenha sido cometido por ordem da ex-namorada da vítima, que não aceitou o término do relacionamento. Os dois estiveram juntos por dois meses, mas Marcos Aurélio terminou o noivado com ela em setembro deste ano.

 

A mulher e um comparsa estão presos desde a noite de terça-feira (12/11). O mandado de prisão temporária para os investigados tem a duração de 30 dias. Eles foram encaminhados na manhã de quarta-feira (13/11) para o Departamento de Controle e Custódia de Presos, no Complexo da Polícia Civil, no Parque da Cidade.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade