Cidades

Sinal Vermelho: campanha busca ajudar mulheres em situação de violência

Pesquisa aponta que, em média, 43 mulheres são agredidas diariamente no Distrito Federal

Correio Braziliense
Correio Braziliense
postado em 15/07/2020 15:17
Primeira-dama e secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha mobiliza o GDF na campanhaO objetivo da campanha nacional Sinal Vermelho é ajudar mulheres em situação de violência doméstica a buscarem socorro nas farmácias de todo o país. As vítimas podem marcar com um batom, ou mesmo caneta vermelha, a letra ;X; na palma da mão, sinalizando que está em perigo, e uma balconista ou o dono do estabelecimento ligará para a polícia. Ao todo, 10 mil farmácias e drogarias brasileiras aderiram ao projeto.

[SAIBAMAIS]A ação é organizada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em parceria com a Associação dos Magistrados do Brasil (AMB). A primeira-dama do Distrito Federal, Mayara Noronha Rocha abraçou a campanha e apareceu em suas redes sociais com um ;X; rubro na palma da mão. A imagem despertou curiosidade para o tema.

;Foi um desafio de rede social;, comenta Mayara. ;Outras primeiras-damas de estados, como Gracinha Caiado (de Goiás), também tinham feito o convite. Foi um reforço de que eu realmente teria que entrar na campanha. É uma ação de extrema relevância.;

Não à violência


;O símbolo ;X; é uma proibição, quer dizer ;não; à violência doméstica;, explica Mayara Rocha. ;Não necessariamente tem que ter a marca, é só mostrar a mão ao farmacêutico ou balconista que eles já estão treinados para agir nessa situação.;

As campanhas, não apenas da primeira-dama do DF, mas também de órgãos do GDF relacionados ao tema, como as secretarias da Mulher (SM) e de Segurança Pública (SSP) mostram-se importantes.

Todos podem ajudar


No DF, segundo dados da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP), uma média de 43 mulheres são agredidas diariamente, ou seja, uma a cada 34 minutos. ;Toda campanha que ajude no combate à violência contra a mulher é de suma importância para a segurança pública;, defende o secretário de Segurança Pública, Anderson Torres. ;Estamos trabalhando para criar protocolos visando o perfeito trâmite dessas informações, em tempo hábil, para que o socorro possa chegar e estancar esse horrendo tipo de violência;.

Para a secretária da Mulher, Ericka Filippelli, o engajamento da sociedade no combate à violência doméstica é fundamental. Em reuniões com representantes da campanha, ela sugeriu a adesão de outros setores do comércio. ;O que precisamos é justamente que outros setores se engajem;, destaca. ;Estamos à disposição para trabalhar nessa articulação. É uma campanha que vem para somar;.

Mayara Rocha lembra que, quanto mais participantes da sociedade civil estiverem envolvidos, melhor. ;Estamos seguindo o modelo do CNJ, mas nada impede de termos a nossa atuação dentro do DF, expandindo para outros estabelecimentos;, afirma. ;É uma campanha que tomou uma proporção de divulgação enorme, alertando sobre o que está acontecendo. Os agressores, quando tomam conhecimento desse tipo de ação, se sentem inibidos;.

Delegacia da Mulher


A SSP destacou que 60% das vítimas do Plano Piloto e Entorno têm entre 30 e 49 anos. Uma das principais motivações para os crimes é o ciúme, sendo que 40% dos casais estavam morando juntos e outros 40%, separados. Em 60% dos casos, as ações de violência aconteceram na própria residência. De acordo com o estudo, mais de 80% nunca chegaram a uma delegacia especializada.

;O grande desafio é incentivar as próprias mulheres a denunciar. Acredito que o medo e o preconceito interno, a vergonha de ir até à delegacia, são os principais impedimentos;, alerta Mayara Rocha.

Titular da segunda Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) do DF, inaugurada há um mês em Ceilândia, Adriana Romana ressalta que o problema da violência doméstica não é apenas da mulher agredida e do marido agressor, mas engloba todos em torno desse casal que passa por situação similar ; parentes, vizinhos e a comunidade, como um todo.

Responsabilidade social


;Trata-se de uma conscientização, mudança de ideia, e todos nós temos o dever de ajudar essas mulheres; é uma responsabilidade de toda a sociedade;, reforça a delegada. Ceilândia lidera os números de ocorrências por violência doméstica. De 2018 a 2019, aponta a SSP, os casos aumentaram em 13% ; 330 ocorrências registradas.

A Deam 2, unidade inaugurada em 16 de junho deste ano na cidade,registrou 390 casos, até a última-terça-feira (14/7), o que dá uma média de 13 atendimentos por dia. Desse montante, mais de 70% são de crimes ocorridos em Ceilândia, sendo 30%, aproximadamente, no Sol Nascente/Pôr do Sol.

;Quase todas essas ocorrências vão virar um inquérito policial;, explica Adriana Romana. ;Estamos conseguindo atender todas os flagrantes vinculados à Lei Maria da Penha, buscando um atendimento diferenciado, mais humano.;

Diante dessa situação, o secretário de Segurança Pública não descarta a possibilidade da criação de outras delegacias de atendimento à mulher no DF. ;Com a futura reposição do efetivo de policiais civis, serão analisadas novas ações visando atender outras áreas com esse tipo de estrutura;, prevê.

*Com informações da Agência Brasília

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação