Publicidade

Correio Braziliense

Feminicídio: namorado matou enfermeira com pelo menos 10 facadas

A enfermeira Pollyanna Pereira de Moura levou facadas nos ombros, braços e na região do abdômen. Após o feminicídio, o cirurgião dentista tirou a própria vida


postado em 31/07/2020 20:23 / atualizado em 31/07/2020 20:25

O crime ocorreu em Águas Claras(foto: Samara Schwingel/CB/D.A Press)
O crime ocorreu em Águas Claras (foto: Samara Schwingel/CB/D.A Press)
A enfermeira Pollyanna Pereira de Moura, 35 anos, foi esfaqueada pelo menos 10 vezes nos ombros, braços e na região do abdômen. A mulher foi morta durante uma discussão com o namorado, o cirurgião dentista Fabrício David Jorge, 41, na última quinta-feira (30/7). O servidor da Secretaria de Saúde (SES-DF) cometeu o feminicídio e, depois, tirou a própria vida, conforme noticiado pelo Correio.

Agentes da 21ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Sul) apuram o que motivou a briga entre os profissionais da saúde, na madrugada de quinta. A hipótese de que Pollyanna teria matado o dentista está descartada. Análise preliminar do Instituto de Medicina Legal (IML) indica que Fabrício tirou a própria vida com um corte no pescoço, atingindo a jugular. O laudo final deve ficar pronto em até 30 dias. 

Vizinhos relataram ouvir gritos e objetos quebrando por volta das 4h, no entanto, ninguém acionou a polícia. O cirurgião dentista enviou uma mensagem a um amigo, pela manhã, afirmando ter matado Pollyana. O homem foi ao apartamento acompanhado de um advogado, e acionou a Polícia Militar após ver uma poça de sangue escorrendo pela porta de entrada. 

“Cena de terror”

Os militares que atenderam a ocorrência a definiram como “uma cena de terror”. O local passou por perícia do Instituto de Criminalística (IC), da Polícia Civil, que poderá indicar a dinâmica do feminicídio seguido de suicídio. A faca encontrada na mão de Fabrício, que estava suja de sangue, foi apreendida para passar por análise da unidade especializada. 

Os profissionais da saúde namoravam há cerca de um ano e, nos últimos meses, passaram a morar juntos. Familiares e amigos escutados pela reportagem afirmam que Pollyana,  que era funcionária do Ministério da Saúde, não havia relatado nenhuma situação de violência doméstica anterior ao feminicídio. A pasta divulgou nota de pesar pela morte da enfermeira, que participou do programa O Brasil Conta Comigo, de combate à covid-19.  

Últimos momentos

Na noite de quarta-feira (20), Pollyana foi filmada por câmeras de segurança do edifício. Ela foi vista descendo do apartamento onde vivia, no primeiro andar, para encontrar um familiar que a aguardava próximo à portaria, em um carro. A enfermeira conversou e entregou uma sacola ao homem, e aparentava estar feliz. Após o encontro, a mulher retorna para casa. 

A enfermeira deixa uma filha de 15 anos, fruto de um casamento. Ela tinha a guarda compartilhada da adolescente com o ex-marido, que estava com a garota no momento do feminicídio. Fabrício tinha dois filhos, uma jovem, também de 15 anos, e um menino, de 10.

 
Busque ajuda

» Polícia Militar — 190
» Ministério dos Direitos Humanos — Disque 100
» Polícia Civil — 197 ou  opção 3 ou 61 98626-1197 (WhatsApp)
» Delegacia Online — https://www.pcdf.df.gov.br/servicos/197/violencia-contra-mulher   
» Delegacias regionais 
Atendimento 24 horas por dia
» Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam I e II)
Asa Sul: Entrequadra 204/205 Sul
Telefone:  3207-6172
Ceilândia: Prédio da 15ª Delegacia de Polícia — QNM 2, Área Especial, Conjunto G/H - Centro 
Atendimento ininterrupto 
» Centro de Atendimento à Mulher (Ceam)
De segunda a sexta-feira, das 10h às 16h30
Asa Sul: Estação do Metrô 102 Sul
Telefone: 3323-7264
Ceilândia: QNM 2, Conjunto F, Lote 1/3 – Ceilândia Centro
Telefone: 3373-6668
Planaltina: Jardim Roriz, Área Especial, Entrequadras 1 e 2 – Centro
Telefone: 3389-8189 / 99202-6376
» Programa de Prevenção à Violência Doméstica (Provid) da Polícia Militar
Telefones: 3910-1349 / 3910-1350
» Núcleo de Assistência Jurídica de Defesa da Mulher (Nudem)
Telefone e WhatsApp: 99359-0032
E-mail: najmulher@defensoria.df.gov.br 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade