Cidades

Lanchas onde ocorreu festa em que advogado desapareceu passarão por perícia

Com a localização do corpo de Carlos Eduardo Marano Rocha, a Polícia Civil solicitou uma série de exames de perícia para determinar como ocorreu a morte do advogado

Sarah Peres
postado em 05/08/2020 10:10
lancha dos bombeiros busca advogado no lagoApós a localização do corpo do advogado Carlos Eduardo Marano Rocha, de 41 anos, no início da noite de terça-feira (4/8), a investigação do caso entra em uma nova etapa. A 10; Delegacia de Polícia (Lago Sul) solicitou uma série de exames periciais para determinar tanto a causa da morte da vítima, como para elucidar as circunstâncias por trás do fato. O morador do Noroeste estava em uma festa privada, realizada em duas lanchas, no Lago Paranoá, quando desapareceu, no último sábado (1;/8).

Inicialmente, investigadores trabalham com a hipótese de óbito acidental. Até a manhã desta quarta-feira (5/8), cerca de 11 pessoas já tinham prestado depoimento na unidade policial, entre eles os participantes do evento, assim como familiares e amigos próximos à vítima. Ainda pela noite, foram solicitados dois laudos periciais aos institutos Criminalística (IC) e de Medicina Legal (IML), da Polícia Civil.

Uma fonte policial afirmou ao Correio que as lanchas nas quais ocorreram a festa privada passarão por perícia do IC. O celular da vítima já passa por análise do instituto. Especialistas do IML analisam o corpo do advogado com o objetivo de confirmar a causa da morte e para identificar possíveis marcas de violência ; se tiverem ocorrido.

[SAIBAMAIS]Todos os exames requisitados pela unidade foram solicitados em caráter de urgência pela 10; DP. Enquanto isso, nesta quarta-feira, os agentes da unidade prosseguem coletando depoimentos do grupo que estava no evento, amigos e familiares.

Quatro dias de buscas

Carlos Eduardo desapareceu em um dos barcos que ocorreu a festa, que saiu da Marina Premium, no Setor de Clubes Esportivos Sul, no início da tarde de sábado (1;/8). A segunda embarcação saiu de uma outra marina, e o encontro foi marcado por telefone, próximo ao Clube Cota Mil, no Lago Paranoá.

Vídeos mostram o advogado aproveitando o evento ao lado de amigos, conversando e bebendo. Em uma das imagens ele aparece na beira da lancha, com um copo na mão, e abrindo os braços. Esta teria sido a última filmagem realizada da vítima antes dela desaparecer, por volta das 18h.

Quando escureceu é que foi notado o sumiço de Carlos Eduardo. Os presentes passaram a procurá-lo e, então, viram o boné do advogado boiando na água. Um dos homens teria entrado no Lago Paranoá para procurar pela vítima, mas não obteve sucesso. Ao retornar à embarcação, o grupo saiu do local e acionou o Corpo de Bombeiros, que iniciou a busca às 18h53.

Por conta do horário e pela falta de claridade, os militares precisaram suspender a procura. A operação foi retomada nos dias seguintes, iniciando já ao amanhecer e perdurando até o início da noite. Na busca de terça-feira, os bombeiros chegaram a contar com apoio de cães farejadores, entre eles o pastor alemão Bacco, que participou das buscas pelas vítimas da tragédia da Barragem de Brumadinho (MG), em 2019.

O corpo do advogado submergiu e foi encontrado nas proximidades do Clube Cota Mil. O cunhado da vítima, o administrador Leonardo Albuquerque, foi o responsável pelo reconhecimento, recebendo apoio de um amigo próximo a Carlos Eduardo.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação