Publicidade

Correio Braziliense

Anúncio de novas séries brasileiras demonstra bom momento do audiovisual

HBO, Fox, Sony e Netflix divulgaram no evento Rio 2C as produções nacionais que serão lançadas nos canais


postado em 09/04/2018 07:30

Segunda temporada da série 3% estreia na Netflix(foto: PedroSaad/Netflix/Divulgação)
Segunda temporada da série 3% estreia na Netflix (foto: PedroSaad/Netflix/Divulgação)

Rio de Janeiro — O audiovisual brasileiro vive um bom momento no mercado de séries. Em  2018, produções nacionais estrearam ou ainda vão estrear em canais e serviços de grande porte, como as emissoras HBO, Fox e Sony, e as plataformas Crackle e Netflix. Durante o evento Rio 2C, que reúne debates sobre inovação, música e audiovisual, isso ficou bem claro. Canais da tevê aberta e da paga, além dos serviços on-demand, anunciaram as novas apostas de produções seriadas para suas plataformas.

A HBO é pioneira no investimento em produções nacionais. O canal já faz isso há 15 anos e teve sucessos, como Mandrake e O negócioNa participação na Rio 2C, a emissora anunciou mais quatro novos projetos produzidos no Brasil com participações de peso, como Fernando Meirelles (Cidade de Deus e Ensaio sobre a cegueira), Daniel Rezende (Bingo — O rei das manhãs e O mecanismo), Bruno Barreto (Bossa Nova e Flores raras) e Estevão Ciavatta (Fonte da juventude e Made in China).

Duas produções terão temáticas atuais. Pico da neblina, de Fernando e Quico Meirelles, tratará sobre a legalização da maconha. Sob esse contexto, a série acompanha um jovem negro da periferia de São Paulo, um traficante da droga que precisa se adaptará a mudança.

Outro projeto que debaterá assuntos contemporâneos é a série Hard. Baseada em um seriado francês, a atração é produzida por Daniel Rezende e Fabiano Gullane e tem como foco a história de uma mulher que assume a produtora de filmes pornográficos do marido após a morte dele. “É uma comédia, mas, ao mesmo tempo, discute questões de preconceito, de sexualidade e feminismo. Estamos no processo de roteiro, fazendo essa adaptação”, revela Rezende.

As demais séries da HBO são inspiradas em histórias reais. Contos Dumont — Mais leve que o ar, de Fernando Acquarone e Estevão Ciavatta, abordará a vida de Santos Dumont, enquanto a minissérie O hóspede americano, de Bruno Barreto e Carla Affonso, mostrará o encontro entre o ex-presidente norte-americano Theodore Rooselvet e o Marechal Rondon na descida do Rio da Dúvida.

Temporadas


No mundo da tevê paga, o horizonte de séries nacionais ainda é amplo. A Fox Premium, por exemplo, apresentou um painel sobre a terceira temporada de 1 contra todos, de Breno Silveira, com o ator Julio Andrade como protagonista. A produção é considerada a brasileira mais assistida do canal tanto no Brasil quanto na América Latina, e essa boa repercussão fez com que a história começasse a ser negociada para uma adaptação no México. “Temos personagens muitos humanos. Os laços que eles estabelecem... Também há um protagonismo forte feminino”, defende o diretor sobre o motivo do sucesso da atração.

A terceira temporada estreia no Brasil em 23 de abril e mostrará os próximos passos do personagem Cadu, após perder a mulher e ter que lidar com o filho mais velho sendo preso acusado de tráfico de drogas. 

Outra emissora que anunciou novidades em sua participação na Rio 2C foi a Sony Pictures Televison. O executivo do canal T.C. Schultz revelou que em julho chega à programação da Sony e também ao serviço on-demand Crackle a segunda temporada da série nacional (Des)encontros, de Rodrigo Bernardo

No streaming, até agora, a Netflix é a pioneira em produzir conteúdo brasileiro de forma original. Em 27 de abril, a plataforma lança a segunda temporada de 3%, produção distópica de Pedro Aguilera e a série de língua não inglesa mais assistida nos Estados Unidos. Além disso, está previsto para esse ano o lançamento da comédia Samantha!, que tem Emanuelle Araújo como protagonista.

"Com certeza mudou. A gente começou a avaliar as mudanças antes mesmo de estrear. Olhamos os pontos fortes e fracos. Só queríamos que fosse diferente", afirma Aguileara sobre a sequência de 3%. "A história de Samantha! é bem brasileira, mas demos uma olhada nos outros países e encontramos personagens parecidos", afirma Felipe Braga, criador da produção.

Tevê aberta


A Rede Globo é a emissora da tevê aberta mais conhecida por criar suas próprias séries. Mas ela não é a única. Em 2016, o SBT entrou nesse mercado com o lançamento de A garota da moto. A produção teve bom ibope e retorna para uma sequência em novembro deste ano.

Devido ao sucesso de A garota da moto, o canal de Silvio Santos ainda anunciou a série Z4, uma parceira entre a Formata e a Disney Channel. A produção estreia em 18 de julho e tem como premissa a história do empresário Zé (Werner Schunemann), pai da personagem vivida pela atriz e cantora Manu Gavassi, que quer formar uma boyband.

Já a Record produz sua primeira série de terror, Lendas urbanas, sobre histórias conhecidas, como A loira do banheiro e O homem do saco. 

A repórter viajou a convite da Rio 2C

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade