Publicidade

Correio Braziliense

Manifestantes marcham a favor de Bolsonaro na Esplanada dos Ministérios

A manifestação, que começou por volta de 10h30, já reunia 25 mil carros às 13h, de acordo com estimativa feita pela Polícia Militar


postado em 30/09/2018 10:37 / atualizado em 30/09/2018 14:46

Ver galeria . 8 Fotos Ed Alves/CB/D.A Press
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press )

 

Manifestantes à favor do candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) tomaram vias da Espalanada dos Ministérios, em Brasília, neste domingo (30/9). As pessoas em sua maioria foram de veículos e começaram a se concentrar na Biblioteca Nacional e descerão em direção ao Congresso Nacional por volta de 10h30. Inicialmente a Polícia Militar contou 300 carros presentes. A intenção é terminar a carreata na porta da Rede Globo, localizado na Setor de Radio e TV Norte.

A PM ainda não estimou o número de pessoas. No ato, foram colocadas bandeiras no chão com os dizeres: “Venceremos à corrupção”, “Fora comunistas”, “Quem mandou matar Bolsonaro?”e “Todo poder emana do povo”.

A maioria das pessoas estão com camisas verdes e amarelas. Também há pessoas com blusas pretas com “Bolsonaro Presidente 17”.

 

As pessoas ocuparam todas as faixas do Eixo Monumental, lado Sul.

 

Enquanto passavam pela Catedral fizeram uma oração e cantam: “1,2,3,4,5, 1000. Queremos Bolsonaro presidente do Brasil” e “Eu vim de graça”.

 

Pouco antes do meio dia, os manifestantes pró-Bolsonaro caminharam em direção à Rede Globo. No mesmo horário, a PM atualizou o número de presentes: 1.100 carros no protesto, mas, poucos minutos depois, disse que a manifestação reune de 10 mil a 12 mil veículos. Segundo a União dos Movimentos de Brasília, há 4 mil pessoas.

 

 

 

 

 

 

O movimento foi organizado em grupos nas redes sociais. A página de um desses grupos informa que eventos de apoio ao candidato têm sido feitos rotineiramente aos domingos e prosseguirão até o segundo turno, se houver.

Além desse, outro grupo favorável a Bolsonaro está reunido nas proximidades do Centro de Aeromodelismo de Brasília, em outra região da cidade. O ato conta com a participação de candidatos distritais aliados ao presidenciável do PSL. O General Paulo Chagas, candidato ao Governo do Distrito Federal pelo PRP, compareceu ao movimento. "Bolsonaro é o presidente do Brasil, a partir da próxima semana. Ninguém vai mudar isso", disse.

 

 

 

De acordo com a Polícia Militar, por volta das 13h, a quantidade de veículos no protesto voltou a subir: neste horário, cerca de 25 mil carros já haviam passado pelo Eixo Monumental.

 

O grande movimento de pessoas e automóveis acabou interferindo no trânsito na área central de Brasília. Pontos como o Setor de Rádio e TV Norte e a W3 Norte ficaram bastante congestionados. 

 

 

 

Nas redes sociais, pessoas estão postando vídeos da manifestações em outras regiões do país. Confira: 

 

 

 

 

 

 

 

#Elenão

Ontem, 29, manifestantes contrários a Bolsonaro lotaram as ruas das capitais, do Distrito Federal e de várias cidades do interior do Brasil. Cidades de outros países também reuniram protestos contra o candidato, dentre elas Lisboa, Paris e Washington. Sob o slogan #EleNão, a campanha foi criada dentro de um grupo no Facebook que reúne 3,8 milhões de mulheres. As lideranças do movimento afirmam que a campanha é para alertar a população sobre as ideias de Bolsonaro, consideradas pelos participantes como "fascistas e machistas".

 

Intenções de voto

Capitão da reserva e deputado federal por sete mandatos, Bolsonaro vinha liderando as recentes pesquisas de intenção de voto para o primeiro turno. Hoje, 30, pela primeira vez, o candidato aparece tecnicamente empatado com o presidenciável do PT, Fernando Haddad, conforme os resultados da pesquisa do instituto MDA encomendada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT).

O levantamento divulgado neste domingo (30) mostra Bolsonaro com 28,2% das intenções de voto e Haddad com 25,2% da preferência dos entrevistados. A margem de erro é de 2,2 pontos porcentuais para mais ou para menos. Considerando essa margem, Bolsonaro pode ter entre 26% e 30,4%. Já Haddad pode ter entre 23% e 27,4%.

Ontem, Bolsonaro teve alta do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, depois de 22 dias de internação. Ele foi alvo de um ataque a faca durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG) no dia 6 de setembro.

 

 

* Com informações da Agência Estado 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade