Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro recebe alta e deixa o Hospital Albert Einstein

Ele estava internado na unidade de saúde desde o dia 27 de janeiro para a retirada da bolsa de colostomia e construção do trânsito intestinal


postado em 13/02/2019 12:33 / atualizado em 13/02/2019 13:09

(foto: Presidência da República )
(foto: Presidência da República )
 

 

O presidente Jair Bolsonaro recebeu alta e deixou o Hospital Israelita Albert Einstein no início da tarde desta quarta-feira (13/2). Ele estava internado na unidade de saúde desde o dia 27 de janeiro para a retirada da bolsa de colostomia e construção do trânsito intestinal. 

 

Um comboio de policiais chegou ao hospital por volta das 12h, para acompanhar a saída do presidente. Segundo boletim médico divulgado nesta quarta-feira, Bolsonaro recebeu alta com quadro pulmonar normalizado, sem dor, afebril e com função intestinal restabelecida e dieta leve por via oral. 

 

Durante o período de internação, o presidente realizou exercícios de fisioterapia respiratória e motorista, com períodos de caminhada fora do quarto. "Ele está extremamente animado, disposto e ansioso para retornar a Brasília e sua casa", informou o porta-voz do governo, o general Rêgo Barros. "Ao desembarcar na capital federal, o presidente seguirá para o Palávio do Alvorada, sua residência oficial. Até o momento, não há previsão de compromissos hoje à tarde", completou.

 

Bolsonaro está a caminho de Brasília. A previsão é de que ele chegue por volta das 14h40. Ainda não há uma compromissos oficiais. Pelo Twitter, o presidente agradeceu a Deus por voltar a trabalhar em plena normalidade. "Foram 3 cirurgias e mais de 1 mês no hospital nestes últimos 5 passados. Finalmente deixamos em definitivo o risco de morte após a tentativa de assassinato de ex-integrante do PSOL", escreveu no microblog. 

 

 

 

 

Internação

 

A cirurgia para a reconstrução do trânsito intestinal foi realizada no dia 27 de janeiro com a avaliação clínica pré-operatória. O procedimento teve duração de 7 horas, ocorreu sem intercorrências e sem necessidade de transfusão de sangue. 

 

Em 2 de fevereiro, Bolsonaro teve um episódio de náusea e vômito, e passou a usar sonda nasogástrica. No dia seguinte, teve elevação da temperatura e alteração de alguns exames laboratoriais. Por isso, a equipe médica informou que foi iniciada uma antibioticoterapia. Apesar disso, o paciente se manteve sem dor, e em jejum oral. 

 

Apesar da melhora no estado de saúde, em 6 de fevereiro, o presidente teve episódio isolado de febre, e pneumonia — que, possivelmente, decorreu de microaspiração de conteúdo gástrico. 

 

Nos dias posteriores, a evolução foi considerada "boa, sem disfunções orgânicas e com melhora dos exames laboratoriais". Em 8 de fevereiro, a sonda gástrica foi retirada. Em 11 de fevereiro, foi iniciada uma dieta leve.  

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade