Publicidade

Correio Braziliense

Sem trégua: Carlos e Eduardo Bolsonaro retomam críticas a Mourão

Enquanto Carlos voltou a falar de Hamilton Mourão no Twitter, Eduardo questionou lealdade do vice ao presidente Jair Bolsonaro em entrevista a jornal


postado em 24/04/2019 13:02 / atualizado em 24/04/2019 13:34

(foto: Sérgio Lima/AFP; Nelson Almeida/AFP e Wilson Dias/Agência Brasil)
(foto: Sérgio Lima/AFP; Nelson Almeida/AFP e Wilson Dias/Agência Brasil)
Apesar de o presidente Jair Bolsonaro ter afirmado, por meio de um comunicado na terça-feira (23/4), que colocaria um "ponto final" na discordância pública entre seu filho Carlos e Hamilton Mourão, as críticas do vereador do Rio de Janeiro ao vice-presidente não só continuaram nesta quarta-feira (24/4) como ganharam um reforço: o de outro filho do presidente, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Carlos Bolsonaro retomou o tom crítico pelo Twitter, como vem fazendo desde segunda-feira (22/4). Na manhã desta quarta, o vereador (PSL-RJ) republicou um vídeo em que um youtuber aponta "um projeto de poder" de Mouão e do presidente de seu partido, o PRTB, Levy Fidelix. No vídeo, o internauta ainda diz que Mourão tem articulado com deputados, numa postura semelhante à de Michel Temer antes do impeachment de Dilma Rousseff. A análise foi considerada "curiosa" por Carlos Bolsonaro.

Um pouco antes, em uma sequência de posts, o vereador escreveu que não está "reclamando" de Mourão, mas apenas postando "informações". "Lembro que não estou reclamando do vice só agora e tals... são apenas informações! Não ataco ninguém, são apenas fatos que já aconteceram e gostaria de continuar compartilhando com os amigos! Um bom dia a todos", publicou na rede social. 

Carlos se referia às postagens anteriores. Em uma delas, comentou uma notícia antiga de que Mourão havia dito que o ex-deputado federal Jean Wyllys deveria ter ficado no Brasil, e que ele poderia ter sido protegido. "Caiu no colo de Mourão algo que jamais plantou. Estranhíssimo seu alinhamento com políticos que detestam o Presidente. Qualquer um que sabe que Jean Willians (sic) não saiu do Brasil por perseguição, mas por uma esperta jogada política cultural. Com a palavra, o culto", escreveu o vereador carioca.  
 
Mais cedo, ele já havia compartilhado outra declaração de Mourão à imprensa, na qual o vice teria criticado a "despetização de Onyz Lorenzoni". "Vale lembrar que o STF sentiu a pressão da internet e ruas ao analisar estranho caso de liberdade de expressão. Decisão se cumpre, mas também se comenta. Qualquer outra interpretação mais uma vez demonstra a paixão camuflada", afirmou. 
 
Ele também criticou o fato de Mourão dizer que não iria comentar o resultado do julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), que diminuou a pena do petista. "Tirem suas conclusões.... de novo e de novo e de novo e de novo", disse Carlos. Após as postagens, a expressão #CalaBocaMourão se tornou uma das mais comentadasnarede social.
 
 

Eduardo Bolsonaro

Já as críticas de Eduardo Bolsonaro vieram por meio de uma entrevista concedida ao jornal O Estado de S. Paulo. Ao ser perguntado sobre troca de farpas recentes entre Mourão e o filósofo Olavo de Carvalho, o deputado demonstrou desconfiança sobre a postura do vice-presidente.  

"Várias vezes as pessoas trazem reclamações relativas ao vice-presidente. Eu falo, olha, segura, é um cara bom, leal. Mas chega um momento que as pessoas começam a falar: 'Eduardo, você é ingênuo ou está tapando os olhos para a realidade?'", afirmou, antes de lamentar: "Acho que tanto Olavo quanto Carlos estão apenas reagindo a isso tudo que salta aos olhos de quem acompanha a política. Poxa, o general Mourão chegou a curtir um post da (jornalista Rachel) Sheherazade em que ela mete o pau no Jair Bolsonaro. Isso daí não é conduta de vice".   
 

"Sangue do meu sangue" 

O guru da família Bolsonaro, o escritor Olavo de Carvalho, também disparou críticas a militares do governo Bolsonaro em um vídeo publicado na internet. A publicação foi divulgada no canal do presidente no YouTube no sábado (20/4) e republicado pelo filho Carlos Bolsonaro no domingo e, horas depois, deletada. 
 
Rêgo Barros, disse que, em relação aos filhos, em particular a Carlos, “o presidente enfatiza que sempre estará ao seu lado”. “O filho foi um dos grandes responsáveis pela vitória nas urnas, contra tudo e contra todos. Eu abro aspas para a fase do presidente: ‘É sangue do meu sangue’”, declarou.
 

Resposta

Mourão, por sua vez, evitou o embate. Na terça-feira (23/4), na saída do anexo II do Planalto, onde despacha, procurou não polemizar. “Calma, todo mundo emite sua opinião, tal e coisa. Então, a minha mãe sempre dizia uma coisa: ‘Quando um não quer, dois não brigam’”, declarou, destacando que essa é a “linha de ação” adotada por ele. “Vamos manter a calma”, afirmou. Carlos respondeu nas redes sociais. “Nunca foi por briga e, sim, pela verdade!”, escreveu.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade