Pesquisa

Mais de 60% dos brasileiros dizem que vão tomar vacina contra covid-19 mesmo que não seja obrigatório

No início do mês, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que ninguém poderia obrigar ninguém a receber a imunização

Thays Martins
postado em 17/09/2020 17:28
 (crédito: Silvio Avila/AFP)
(crédito: Silvio Avila/AFP)

A maior parte dos brasileiros afirma que irá tomar a vacina contra a covid-19 mesmo que não seja obrigatório. O levantamento, feito pelo instituto Paraná Pesquisas, mostrou que somente 8,7% dos entrevistados não pretendem receber a imunização por vontade própria.

Do total, 61,2% dos participantes da pesquisa disseram que pretende tomar a vacina mesmo sem uma lei obrigando a isso. Outros 26,9% disseram que isso dependerá de qual país a vacina será importada.

A maioria dos brasileiros também acha que a vacinação contra a covid-19 deve ser obrigatória. Ao todo, 55,2% disseram ser favoráveis à imunização obrigatória. Outros 38,6%, se disseram contra.

O levantamento foi feito entre 10 e 12 de setembro, com uma amostra de 2008 habitantes de todos os estados e mais o Distrito Federal.

Polêmica

No início de setembro, o presidente Jair Bolsonaro disse que "ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina", em resposta a uma apoiadora antivacina. A fala foi replicada nas redes sociais da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República (Secom).

A afirmação, porém, contradiz legislação sancionada pelo próprio presidente. A lei nº 13.979/20, chamada "Lei do Coronavírus", prevê que uma das medidas possíveis para conter a pandemia é a vacinação obrigatória.

Atualmente, estão em testes no Brasil quatro candidatas a imunização: a chamada "vacina de Oxford", produzida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford; a Coronavac, desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac Research & Development Co. Ltd., em parceria com o Instituto Butantan; a Vacina BioNTech e Wyeth/Pfizer; e a Jansen-Cilag, produzida pela divisão farmacêutica da Johnson-Johnson.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação