POLÍTICAS AFIRMATIVAS

Acusada de fraudar cotas cita Neymar e Beyoncé em vídeo no qual se defende

Glaucielle Dias foi acusada na internet de ter se passado por negra para passar em concurso da Polícia Federal. A hoje empresária e influenciadora digital se define como negra parda

Correio Braziliense
postado em 17/09/2020 19:28 / atualizado em 17/09/2020 22:09
Glaucielle em foto tirada pela banca examinadora (à esquerda) e no vídeo em que se defende e cita Neymar e Beyoncé -  (crédito: Reprodução/Internet)
Glaucielle em foto tirada pela banca examinadora (à esquerda) e no vídeo em que se defende e cita Neymar e Beyoncé - (crédito: Reprodução/Internet)

Acusada na internet de ter fraudado as cotas raciais em concurso da Polícia Federal, Glaucielle da Silva Dias usou Neymar e Beyoncé como exemplos de que a cor da pele de uma pessoa pode ser alterada em fotografias. Em um vídeo que gravou se defendendo e no qual afirma ser negra parda, ela postou duas imagens do jogador e da cantora, nas quais ambos aparecem com o tom da pele muito diferente.

Há alguns dias, começou a circular nas redes sociais uma foto que mostra Glaucielle na heteroidentificação da seleção da Polícia Federal. O procedimento serve para constatar que os candidatos inscritos para as vagas de cotistas são, de fato, negros. A aparência da hoje empresária e influenciadora digital foi comparada com outras imagens dela, colhidas de suas redes sociais. Por ela aparecer, na foto tirada pela banca do concurso, com o cabelo ondulado e a pele mais escura, internautas a acusaram de ter fraudado o sistema de cotas.

"Não acreditem em uma foto com um filtro que vocês veem na internet. Ninguém é tão bonitinho e perfeito daquele jeito não", diz Glaucielle no momento em que o vídeo exibe as fotos de Neymar e Beyoncé. Um pouco antes ela diz estar sendo julgada por fotos que não a mostram como de fato é.

"Estou sendo julgada por pessoas que não me conhecem. Pegam uma foto minha de um dia e outra foto minha de outro dia em que eu estou com filtro, que eu pareço uma bonequinha que eu não sou. Eu sou assim. Nem comparando com isso aqui (a foto usada nas comparações) dá certo. Não fiz nada de errado da heteroidentificação não", diz.

Assista ao vídeo em que Glau Dias se defende:

 
 
 
Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Rinaldo Mouzalas (@rinaldomouzalas) em


Exoneração

Ela também nega que a fraude tenha levado à sua exoneração. Glaucielle diz que ela e o noivo decidiram sair do serviço público para se dedicar a uma empresa familiar. A exoneração foi publicada no Diário Oficial da União no último dia 3. No documento, consta que o desligamento ocorreu a pedido.

O Cespe-Cebraspe, banca organizadora do concurso disse, em nota, repudiar qualquer tentativa de fraudar o sistema de cotas e que sua função é, em caso de suspeitas de ilegalidade, encaminhar os dados para a autoridade policial, que deverá fazer uma investigação.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação