PANDEMIA

Governos sabiam há uma semana que poderia faltar oxigênio em Manaus

Por falta de oxigênio, pacientes estão morrendo e outros estão sendo transferidos para outros estado desde a quinta-feira (14/1)

Philipe Santos
postado em 15/01/2021 15:22
 (crédito: Michel Dantas/AFP)
(crédito: Michel Dantas/AFP)

A empresa White Martins, responsável pela produção e fornecimento de oxigênio para o Amazonas, informou, há uma semana, aos governos federal e estadual que faltaria o insumo para atender os hospitais do estado. A informação foi confirmada ao Correio pela Secretaria de Saúde do Amazonas. Por falta de oxigênio, pacientes estão morrendo e outros estão sendo transferidos para outros estado desde a quinta-feira (14/1).

Segundo a pasta, após o crescimento de internações de covid-19, em dezembro e janeiro, o consumo diário de oxigênio, que estava na ordem de 30 mil metros cúbicos no dia 31 de dezembro, saltou para perto de 60 mil no dia 8 de janeiro e chegou a 76,5 mil metros cúbicos, com indicação de demanda crescente. A produção local da empresa é de cerca de 28,2 mil metros cúbicos.

A secretaria também afirmou que, após ser comunicada do problema, em 7 de janeiro, “o Governo do Amazonas iniciou uma força-tarefa para solucionar o problema, contando com o apoio das Forças Armadas no transporte de oxigênio de plantas da própria White Martins em outros estados para Manaus e também requisitando toda a produção de outras duas empresas que produzem na capital, mas que são de menor porte.”

O Governo também afirmou que iniciou a prospecção para contratação de mini usinas para os hospitais de Manaus, medida que foi assumida pelo Ministério da Saúde, que ainda está trabalhando na busca por essa solução. De acordo com a pasta, o principal problema no desabastecimento “é a logística de transporte, que é complexa devido às peculiaridades do produto, que requer máxima segurança e condições especiais de transporte.”

Por último, a Secretaria Estadual de Saúde disse que emitiu, nessa quinta-feira (14/1), uma notificação administrativa extrajudicial a 11 indústrias (Gree Eletric, Moto Honda da Amazônia, Yamaha Motor, Eletrolux do Brasil, TPV do Brasil, Whirpool Corporation, Sodecia da Amazônia, Denso Industrial, Caloi Norte, Flextronics International, Cometais Industrias) requisitando eventual estoque ou produção de oxigênio necessário à utilização nas estruturas da rede estadual de saúde para o enfrentamento da covid-19.

A nota diz que o início da cooperação com outros estados para transferência de pacientes e a busca de novas alternativas logísticas para trazer oxigênio de outros locais começou na última terça-feira (12/1). A reportagem procurou o Ministério da Saúde e a empresa White Martins, mas não recebeu nenhuma resposta até a publicação desta matéria.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE