Assassinato

Polícia Civil investiga linchamento em Araguari

Inquérito ainda vai apurar o assassinato e o possível estupro da menina de 9 anos, que levou à revolta e ao linchamento do suspeito

Vinícius Lemos - Especial para o EM
postado em 01/10/2021 15:00 / atualizado em 01/10/2021 15:00
 (crédito:  Divulgação/PCMG)
(crédito: Divulgação/PCMG)

A Polícia Civil instaurou inquérito para apurar o linchamento do suspeito de matar uma criança de 9 anos na cidade de Araguari, no Triângulo Mineiro. A investigação ainda buscar saber como o assassinato da menina aconteceu e se a vítima foi estuprada.

De acordo com a polícia, desde o dia do crime (29/9), 'a equipe está empenhada na realização dos trabalhos de perícia técnica e levantamento de informações a fim de elucidar os casos'.

Segundo o delegado Felipe Oliveira Monteiro, as investigações começaram com a notícia do desaparecimento de Larissa dos Anjos Sena em redes sociais. “A vítima havia saído para comprar gelatina em um armazém próximo da residência dela e não retornou. A partir daí, familiares começaram a procurar por ela nas imediações”, disse. O suspeito chegou a ser questionado sobre o paradeiro da criança, mas negou tê-la visto.

Já foi possível levantar que relatos de que um vizinho informou ter visto a garota conversando com o suspeito. “Populares começaram a pressioná-lo e ele se trancou dentro de casa. As pessoas entraram na residência e encontraram o corpo da vítima no quintal. Muita gente acessou o imóvel e agrediu o homem (Juliano Almeida Ribeiro), que também veio a óbito”, completou o Monteiro.

O delegado acrescentou que a criança estava nua, indicativo de possível tentativa de violência sexual, e o corpo dela apresentava 14 marcas de facadas, a maioria dos golpes na região do peito.

A polícia aguarda o resultado dos laudos periciais, principalmente exames microscópicos de DNA que foram solicitados e serão realizados em Belo Horizonte. Esses laudos serão importantes concluir a apuração relacionada às mortes da criança e do suspeito.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE