Covid-19

Brasil teria metade de mortes por covid se conduzisse pandemia igual a uma capital do Sudeste

Estudo do Imperial College destaca Belo Horizonte como a capital com menor mortalidade entre pacientes internados em hospitais com o novo coronavírus

Mateus Parreiras - Estado de Minas
postado em 15/10/2021 18:26 / atualizado em 15/10/2021 18:28
BH chegou a abrir três Centros Especializados de Tratamento de COVID-19 (Cecovid) para atendimento adequado -  (crédito:  PBH Divulgação)
BH chegou a abrir três Centros Especializados de Tratamento de COVID-19 (Cecovid) para atendimento adequado - (crédito: PBH Divulgação)

Cerca de 329 mil vidas perdidas pela COVID-19 poderiam ter sido salvas no Brasil caso a pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2) tivesse sido conduzida nacionalmente da mesma forma como foi em Belo Horizonte.

O alívio de 55% no número de vítimas para os 602.099 óbitos já alcançados nesta sexta-feira (15/10), foi calculado com base na sobrevivência hospitalar ao vírus na capital mineira, uma pesquisa do Imperial College, universidade londrina de excelência mundial na produção cinetífica e avaliada pelo médico Carlos Starling, infectologista e membro do Comitê Municipal de Enfrentamento à COVID-19 da Prefeitura de Belo Horizonte.

"Aproximadamente um terço das mortes atribuíveis ao COVID-19 no Brasil em hospitais poderiam ter sido evitadas se a pressão da saúde não tivesse taxas de mortalidade tão exacerbadas. Aproximadamente metade das mortes atribuíveis à COVID-19 no Brasil poderiam ter sido evitadas se tivessem taxas semelhantes às observadas em Belo Horizonte", indica o estudo do Imperial College.

De acordo com o trabalho científico, entre as 14 capitais brasileiras estudadas (veja a tabela), entre 20 de janeiro de 2020 e 26 de julho de 2021, Belo Horizonte é a que teve o menor percentual de mortes, com 7.842 (18%) óbitos entre os 43.763 pacientes internados.

O trabalho é intitulado "Fatores que conduzem a grandes flutuações espaciais e temporais nas taxas de letalidade do COVID%u201019 em hospitais brasileiros" e é assinado por especialistas ligados a instituições brasileiras, inglesas, norte-americanas, espanholas, belgas e dinamarquesas.

Mortalidade hospitalar da COVID-19 nas capitais brasileiras
Mortalidade hospitalar da COVID-19 nas capitais brasileiras (foto: Imperial College)

O desempenho total das capitais estudadas é 10 pontos percentuais pior que o belo-horizontino, com 135.714 (28%) mortes entre 480.157 pacientes estudados. Outro fator de destaque, ajustado pelas idades, é o dos impactos em semanas com maior e menor intensidade de fatalidades pela COVID-19.

BH registrou um índice de óbitos de 7,7% dos internados nas semanas menos intensas e 12,2% nas mais críticas. O Rio de Janeiro teve a pior semana menos intensa, com 20,1% mortes e Macapá registrou a mais crítica, com 41,7%.

O bom trabalho mereceu citação específica da capital mineira pelo estudo como destaque de uma cituação de grande controle. "Em Belo Horizonte, nenhum grupo de idade experimentou choques de COVID%u201019 com taxas de mortalidade hospitalar acima de 50% que duraram pelo menos quatro semanas consecutivas, enquanto em Porto Velho todos os pacientes com 50 anos ou mais sofreram tais choques fatais", aponta o trabalho.

Para o infectologista Carlos Starling, que é membro do comitê municipal de enfentamento da pandemia em BH, um dos motivos é a boa estruturação do Sistema Único de Saúde (SUS). "BH conta com uma das melhores estruturas para o SUS. Precisa de muito investimento, ainda, para melhorar, mas o SUS de BH comparado com o restante é muito consistente, muito sólido e isso foi fundamental", avalia.

Especialistas apontam estrutura forte do SUS em BH para o bom desempenho hospitalar
Especialistas apontam estrutura forte do SUS em BH para o bom desempenho hospitalar (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

De acordo com o médico, esse modelo, caso fosse seguido e fortalecido no Brasil, poderia ter evitado muitas perdas. "A pesquisa do Imperial College mostra que o SUS é fundamental para a proteção da população, pela assistência diária. Pode ter as falhas que tem, mas foi essencial e teve uma condução coerente na pandia que se baseou em dados epidemiológicos para a gestão pública. Nós poderíamos ter menos da metade das mortes registradas no país se a condução do combate à pandemia tivesse sido como em BH", afirma.

O trabalho científico do Imperial College também verificou a importância das variantes mais agressivas, sobretudo a denominada Gama, descoberta em Manaus, sobre as mortes hospitalares.

"No final de março de 2021, os dados da sequência Sars%u2010CoV%u20102 pertencentes à variante Gama estavam presentes em 14 de 27 estados brasileiros. A rápida propagação da Gama por todo o país foi seguida por ondas de morte, sugerindo um aumento da gravidade da doença após a infecção com essa variante".

A expansão da variante gama foi seguida por choques nas taxas de letalidade da COVID-19 em hospitais brasileiros, de acordo com o trabalho. "Apresentamos índices de pressão de saúde pandêmica que medem e monitoram incompatibilidades entre a demanda de saúde e os recursos disponíveis. A pressão pandêmica sobre a saúde está fortemente correlacionada com as taxas de mortalidade da COVID-19. Nossas descobertas são importantes na calibração do risco representado por novas variantes".

O impacto da Gama nos hospitais do Brasil sugerem necessidade de investimentos. "Mais recursos de saúde, otimização e preparação para uma pandemia são essenciais para minimizar a mortalidade e morbidade em toda a população causada por patógenos altamente transmissíveis e mortais, especialmente em pessoas de baixa e média renda", determina o trabalho.

  • Mortalidade hospitalar da COVID-19 nas capitais brasileiras
    Mortalidade hospitalar da COVID-19 nas capitais brasileiras Foto: Imperial College
  • Especialistas apontam estrutura forte do SUS em BH para o bom desempenho hospitalar
    Especialistas apontam estrutura forte do SUS em BH para o bom desempenho hospitalar Foto: Leandro Couri/EM/D.A Press
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE