Tragédia

Dentista é uma das principais testemunhas do acidente com Marília Mendonça

Rossana Bortot contou que o avião bimotor passou em cima de sua casa, voando baixo, com velocidade reduzida e com um barulho estranho: 'Parecia lata batendo'

Tim Filho - Especial para o EM
postado em 08/11/2021 19:17
A dentista Rossana, no ponto em que viu o bimotor voando baixo e com um barulho estranho, antes de cair na cachoeira -  (crédito: Super Canal Caratinga/Reprodução)
A dentista Rossana, no ponto em que viu o bimotor voando baixo e com um barulho estranho, antes de cair na cachoeira - (crédito: Super Canal Caratinga/Reprodução)

A dentista Rossana Bortot é uma das principais testemunhas da queda do avião bimotor que matou Marília Mendonça e mais quatro pessoas. Na sexta-feira (5/11), ela viu o acidente aéreo a poucos metros de sua casa, em Piedade de Caratinga, que comoveu o Brasil. Rossana contou à TV Super Canal, de Caratinga, parceira do Estado de Minas e da TV Alterosa Leste, o seu desespero ao ver a aeronave caindo.

Rossana estava saindo de casa, de carro, junto com seu marido, quando ouviu um barulho estranho no céu. “Era um barulho que parecia ser de avião e de helicóptero, tudo ao mesmo tempo, parecia lata batendo”, disse.

Assustada com o barulho, ela contou que olhou para o céu e viu o avião voando como se fosse uma folha de papel em queda, balançando, em velocidade baixa, até cair em meio às árvores.

“O avião veio balançando, fez uma curva e tombou, e pareceu que se chocou com a asa no solo. Depois disso, ouvi um barulho muito forte”, contou a dentista. Disse que sentiu um cheio muito forte de óleo e temeu por uma explosão.

No vídeo gravado pela câmera de segurança de sua casa (veja abaixo), é possível ver a dentista desesperada olhando para o céu, acompanhando a queda do avião. Temendo uma explosão, mesmo estando distante do local da queda, ela correu e entrou no seu carro. Mas logo em seguida, saiu. Ela e o marido ficaram muito assustados.

Ainda impactados com a queda do avião, o casal tratou de chamar o Corpo de Bombeiros. “Nós ligamos na mesma hora para o Corpo de Bombeiros, que não atendeu. Depois, conseguimos um número alternativo e falamos com os Bombeiros, que ainda não sabiam do acidente”, disse.

Moradora de um condomínio localizado no alto da serra, distante 4 quilômetros do aeroporto de Ubaporanga, a dentista disse que está acostumada com o barulho de aeronaves que sobrevoam a sua casa, na direção da pista de pouso. Mas nunca tinha visto um acidente aéreo.

“Quando eu soube que o avião levava a Marília Mendonça, uma cantora tão querida, eu fiquei muito mal. Eu já estava mal em imaginar o desespero das pessoas que estavam dentro do avião. Eu ficaria em relação a qualquer pessoa que estivesse no avião, mas até eu me emociono ao saber que era ela quem estava naquele avião”, disse.

Rossana foi ouvida pelos oficiais do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA) e disse que está disposta a colaborar no que for preciso. Para ela, está muito clara a lembrança do acidente.

“Depois que o avião começou a descer, parece que nada poderia ser feito, porque o avião estava sem velocidade nenhuma para arremeter o pouso, sei lá”, disse.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE