Mobilização

Ativistas fazem ato em defesa da Cannabis medicinal na Câmara dos Deputados

O evento também serviu para lembrar o Dia Nacional da Cannabis Medicinal, marcado para o dia 27

Raphael Felice
postado em 25/11/2021 06:00
Cannabis medicinal pode ser usada no combate a doenças como epilepsia, ansiedade, Parkinson e esquizofrenia -  (crédito: medicalmarijuanainc/Reprodução)
Cannabis medicinal pode ser usada no combate a doenças como epilepsia, ansiedade, Parkinson e esquizofrenia - (crédito: medicalmarijuanainc/Reprodução)

Ativistas e associações foram ao Salão Verde da Câmara dos Deputados, ontem, para defender os benefícios do uso da Cannabis medicinal no combate a doenças como epilepsia, ansiedade, Parkinson e esquizofrenia. O grupo contou com apoio de deputados federais e distritais.

O evento também serviu para lembrar o Dia Nacional da Cannabis Medicinal, marcado para o dia 27. A jornalista Thais Saraiva, co-fundadora da InformaCann, grupo participante da mobilização, acredita que o diálogo constitui a melhor ferramenta para combater o preconceito sobre o tema. É o caminho, segundo ela, para que a maconha medicinal tenha a matéria-prima produzida no Brasil.

"A gente quis fazer esse ato para que as pessoas se familiarizem com o tema da Cannabis; para que saibam quantas propriedades benéficas ela possui tanto na medicina quanto na indústria", afirmou. "Se usar as palavras certas, conversando com calma, trazendo os dados científicos, as pesquisas científicas como as da USP, que é a maior produtora de pesquisas acadêmicas sobre o tema no mundo, a gente consegue avançar", acrescentou.

Também co-fundadora da InformaCann, Manuela Borges observou que o Brasil poderia faturar tanto em exportação, quanto alavancar a economia local com a produção legal da Cannabis. "O Brasil pode importar a preço de ouro, mas não pode produzir a matéria-prima para o medicamento. Mesmo assim, o cultivo legal por associações de pacientes já é realidade com o aval da justiça", esclareceu.

Borges ainda comparou. "Enquanto o acesso ao medicamento é caro e burocrático, o tráfico mantém seu negócio milionário livre de impostos. O parlamento precisa entender que a regulação da Cannabis gera emprego, tributos para o país e o mais importante: liberdade de escolha e acesso mais igualitário ao tratamento", explicou.

Desinformação

O deputado distrital Leandro Grass (Rede) acompanhou a comitiva. Ele definiu a cannabis medicinal como um instrumento importante para a saúde pública e a qualidade de vida das pessoas. "Temos que gerar informação contra a ignorância, gerar conhecimento. Temos a missão de popularizar esse debate, de tentar dizer às pessoas que muitas vezes se confundem sobre uso recreativo com o medicinal sobre questão de regulamentação e legalização de drogas com acesso a medicamentos", esclareceu.

"Quando falamos sobre um maior acesso da maconha medicinal, estamos travando uma batalha pela vida e pela saúde das pessoas. Acredito que não haja questão ideológica ou política neste tema", ponderou.

Os deputados federais Bacelar (Podemos/BA), Alex Manente (Cidadania/AP), Túlio Gadelha (PDT/AP), Joenia Wapichana (Rede/RR) e a senadora Mara Gabrilli (PSDB/SP) também apoiaram a causa.

Atualmente, no Brasil, a obtenção de medicamentos com base em canabidiol e outras substâncias provenientes da maconha ocorre de duas formas: pela importação, ou pela compra em farmácias autorizadas pela Anvisa. Em ambos casos, o custo é elevado.

 

 

CONTINUE LENDO SOBRE